In Verbis


icon-doc
REVISTA DE 2012

“É preciso é ter vontade de aplicar a lei a todos”

Rui Cardoso, presidente do Sindicato dos Magistrados do Ministério Público, sobre Parcerias Público-Privadas (PPP)

Correio da Manhã – Defende que, independente da renegociação das PPP, há uma solução para minimizar os encargos públicos, resultantes das elevadas taxas de rentabilidade que o Estado se comprometeu a assegurar aos privados. Pode explicar essa solução?

Rui Cardoso – É aprovar uma norma no Orçamento de Estado dizendo que as taxas de rentabilidade que excedam um determinado valor são reduzidas a esse mesmo valor. Ou seja, é dizer que nenhuma PPP pode ter uma taxa de rentabilidade superior a, por exemplo, 3 ou 4 por cento. A partir daí, o Estado só paga isso. Não há nenhum negócio legítimo que dê uma taxa de rentabilidade de 20%, mas foi isso que foi prometido. No estado em que está o País, isso é inadmissível. O Estado tem o poder legislativo para o fazer.

– Na prática, trata-se de usar a lei, da mesma forma que foi usada para tirar subsídios aos trabalhadores...

– Sim, e parece-me que não é inconstitucional. Face à situação de emergência do País, à necessidade de reduzir custos, de repartir equitativamente os sacrifícios – tudo reconhecido pelo Tribunal Constitucional – parece-me que essa norma não violaria a Constituição.

– Por que razão não se punem os responsáveis pelos contratos das parcerias que, como já disse, são ruinosas?

– Sobre isso há uma investigação, pelo menos está anunciada como tal. Agora é deixar a investigação correr.

– Esta situação não obriga a repensar o catálogo de crimes de titulares de cargos políticos, por exemplo, a gestão danosa?

– Com as leis actuais, há tipos de crimes em que esta situação, em abstracto, poderá ser enquadrada. Agora, é preciso é haver vontade de aplicar a todos as leis que existem.

Ana Luísa Nascimento | Correio da Manhã | 25-09-2012

Comentários (3)


Exibir/Esconder comentários
...
Fazer mais leis penais para dar a aparência de que se está a actuar é que é, verdadeiramente, um crime. Porque disfarça e esconde a assustadora verdade: que é que com as leis que existem, se tudo funcionasse bem, já muita gente com poder estaria atràs das grades. A pergunta que toda a gente deveria fazer é, pois, porque é que estas investigações criminais, quando atingem os poderosos, subitamente encravam, param, vertem óleo por todos os lados, rebentam peças e vai tudo para a sucata.
Imaginem uma trituradora de carne com o rótulo Justiça Criminal em Portugal: todos os dias são deitados lá para dentro centenas de arguidos, a máquina funciona normalmente, a matéria é toda processada, e sai o produto final. Sem problemas.
MAS, quando se deita lá para dentro um poderoso, seja politica ou económicamente poderoso, ou as duas vertentes juntas, é como se se tivesse atirado lá para dentro um bloco de aço: subitamente ouve-se um som assustador de metal a ser trilhado e partido, a máquina entra em estertor, cospe peças partidas pela boca e encrava. Ponto final. Máquina para a sucata.
Fazer leis novas é como mudar as lâminas por outras idênticas, mantendo a máquina na mesma.
Já era altura de mudar a máquina.
Hannibal Lecter , 26 Setembro 2012
...
Onde esteve o MP durante os ùltimos anos? Não viu? Não leu? Não ouviu?
Valmoster , 26 Setembro 2012
...
Por mim, podem acabar com o tribunal do ratton...e levar de presente o DCIAP (que só desonra os grandes magistrados do MP que há em Portugal, pois pouco ou nada faz e quando faz é para se transformar numa MEGA TESOURARIA DA FAZENDA PÚBLICA).
Zeka Bumba , 27 Setembro 2012

Escreva o seu comentário

reduzir | aumentar

busy

Tradução automática

Fórum Parcerias Público-Privadas “É preciso é ter vontade de aplicar a lei a todos”

© InVerbis | 2012 | ISSN 2182-3138 

Sítios do Portal Verbo Jurídico