In Verbis


icon-doc
REVISTA DE 2012

Pôr os reclusos a trabalhar

  • PDF

Fernando Santo, Secretário de Estado da Justiça, em entrevista sobre o plano de remodelação das cadeias e dos tribunais, declara querer "reforçar as formações profissionais, pôr os reclusos que quiserem aprender profissões a trabalhar e ter produção".

Correio da Manhã – Com que objectivo anda a visitar as cadeias e os tribunais do País?
Fernando Santo – Até ao final de Janeiro a ministra da Justiça vai apresentar o projecto do futuro mapa judiciário. Estou a inteirar-me do que temos de património e o que é arrendado, para optimizar o património próprio. E a ver outras hipóteses de imóveis que possam vir a ser adquiridos para reabilitação e utilização dos serviços. Também há a preocupação da ampliação dos serviços prisionais.

– Os novos Campus de Justiça estão fora de questão?
– Os Campus de Justiça vão a conselho de ministro para se revogarem as orientações anteriores. O Ministério da Justiça não está disponível para continuar com este modelo. Pagamos de rendas 45 milhões de euros por ano e se continuássemos com o mesmo modelo facilmente chegaríamos aos 60 milhões.

– O objectivo é acabar com o pagamento de rendas?
– Queremos reduzir o valor o mais possível. Consegue-se, com essa economia, fazer as obras de adaptação.

– Admite vir a fechar cadeias mais pequenas como as de Torres Novas e Odemira?
– Eventualmente, não dizemos que não. Como pode passar por encerrar alguns tribunais que tenham poucos processos, dentro de um processo de rentabilização e de operacionalização.

– Que mudanças pretendem operar no sistema prisional?
– Uma ideia base é recuperar o património e reforçar as actividades económicas que até há uns anos eram características de muitos estabelecimentos prisionais e que se foram perdendo. Queremos reforçar as formações profissionais, pôr os reclusos que quiserem aprender profissões a trabalhar e ter produção. O resultado dessa actividade deverá ser reinvestido.

Francisco Pedro | Correio da Manhã | 06-01-2012

Comentários (4)


Exibir/Esconder comentários
...
Só duas palavras: muito bem.
L. C. Sula , 06 Janeiro 2012
...
Ttambém só duas palavras: Muito Bem
Begal , 07 Janeiro 2012 | url
...
pONHAM-NOS A trabalhar OBRIGATORIAMENTE. E com direito a sanções disciplinares e a perda de benefícios carcerários (precárias, liberdade condicional, visitas "íntimas", etc) para os meninos que se recusarem. Quem não cumprir as regras só têm direitos "básicos" (comida - se necessário de pior qualidade - e quejandos). É preciso que as cadeias sejam locais de correção em vez de colónias de férias/escolas do crime.
Zeka Bumba , 07 Janeiro 2012
...
1. Quanto à formação, apoiado; mas como custa dinheiro..., não deve avançar. Lembro que muitas Escolas secundárias cancelaram a formação para adultos por o Ministério não autorizar a contratação de Professores.

2. Parece-me que quem recebe rendas obscenas dos nossos impostos também vai passar a poder contar com o dinheiro obtido em trabalho escravo. smilies/cool.gif
Franclim Sénior , 09 Janeiro 2012

Escreva o seu comentário

reduzir | aumentar

busy

Últimos conteúdos

A estrutura da InVerbis está organizada por anos e classificada nos correspondentes directórios.Os conteúdos publicado...

O Estado assumiu, através da empresa pública Parvalorem, a dívida de quase 10 milhões de euros de duas empresas de Vítor...

Dos 118 homicídios cometidos em 2012, 63 tiveram familiares como protagonistas • Cinco pais e 18 padrastos detidos por a...

Pedro Lomba - Na primeira metade do ano o ajustamento negociado com a troika correu dentro do normal e expectável. Mas d...

Últimos comentários

Tradução automática

Opinião Entrevistas Pôr os reclusos a trabalhar

© InVerbis | 2012 | ISSN 2182-3138 

Sítios do Portal Verbo Jurídico