In Verbis


icon-doc
REVISTA DE 2012

“Não se pode exigir aos contribuintes mais do que podem”

  • PDF

O presidente do Tribunal de Contas diz, em entrevista, que a austeridade "exige resultados em termos de crescimento e emprego".

O presidente do Tribunal de Contas (TC), Guilherme d'Oliveira Martins, defende que é importante haver "estabilidade governativa", mas recusou pronunciar-se sobre a Taxa Social Única (TSU), afirmando apenas que acredita que "o bom senso prevalecerá". Mas adverte que a austeridade exige resultados no crescimento e emprego.

São muitas as vozes que criticam as novas medidas de austeridade. Há espaço para mais austeridade?
As medidas fiscais têm um limite natural que são as capacidades contributivas. Não se pode exigir aos contribuintes mais do que podem.

Considera que os portugueses estão preparados para medidas de austeridade desde que justas e que se perceba o sentido?
A austeridade não é um fim em si. É um instrumento que exige resultados em termos de crescimento, emprego e desenvolvimento.

Como avalia o adiamento por um ano do prazo para cumprimento do défice, para 2,5% em 2014?
É algo de natural considerando a evolução recente da situação europeia.

A economia faz-se para as pessoas e não o contrário. Esta máxima não impõe a necessidade de o rigor financeiro e orçamental serem sinónimos de mais justiça, mais emprego e mais desenvolvimento? Estes objectivos são atingidos com as novas medidas de austeridade, nomeadamente o aumento da TSU para os trabalhadores e redução das contribuições para as empresas? Que alternativas poderão ser apresentadas?
Não me pronuncio sobre o tema. Acredito que o bom senso prevalecerá.

Lígia Simões e Paula Cravina de Sousa | Económico | 24-09-2012

Comentários (1)


Exibir/Esconder comentários
...
Não pode, mas vai continuar a ser. Aos coitadinhos do rendimento mínimo, que não podem trabalhar, mas que têm direito a todos os subsídios à borla é que não se pode mexer. Já aos que trabalham, é IRS, tributação de património em 1000% e tudo mais. Burros somos em trabalhar e gostamos de continuar a ser burros.
Mirror , 24 Setembro 2012

Escreva o seu comentário

reduzir | aumentar

busy

Últimos conteúdos

A estrutura da InVerbis está organizada por anos e classificada nos correspondentes directórios.Os conteúdos publicado...

O Estado assumiu, através da empresa pública Parvalorem, a dívida de quase 10 milhões de euros de duas empresas de Vítor...

Dos 118 homicídios cometidos em 2012, 63 tiveram familiares como protagonistas • Cinco pais e 18 padrastos detidos por a...

Pedro Lomba - Na primeira metade do ano o ajustamento negociado com a troika correu dentro do normal e expectável. Mas d...

Últimos comentários

Tradução automática

Opinião Entrevistas “Não se pode exigir aos contribuintes mais do que podem”

© InVerbis | 2012 | ISSN 2182-3138 

Sítios do Portal Verbo Jurídico