In Verbis


icon-doc
REVISTA DE 2012

Deixou de ser atractivo trabalhar no Estado para os mais qualificados

  • PDF

O economista da Organização Internacional do Trabalho (OIT) Daniel Vaughan-Whitehead considera que o setor público português deixou de ser atrativo para os jovens mais qualificados e que a austeridade poderá comprometer a qualidade dos serviços públicos.

"O que nós vemos é uma redução do capital humano no setor público, os trabalhadores mais qualificados estão a reformar-se e a ser substituídos por funcionários com menos qualificações porque o setor já não atrai os jovens mais qualificados", disse o economista em declarações à agência Lusa a propósito de um estudo da OIT ainda a publicar sobre o impacto das medidas de austeridade sobre a Administração Pública.

Para Daniel Vaughan-Whitehead, o principal autor do estudo, o objetivo dos cortes no setor público português é "pagar menos e conseguir mais".

"No entanto, se estes ajustamentos não forem realizados corretamente, irão custar muito dinheiro e, no final, o Estado pagará mais para conseguir menos", alerta.

Para o responsável da OIT, é necessário, desta forma, que as reformas na Administração Pública "contemplem os efeitos de longo prazo e que analisem quais os serviços e que tipo de sociedade queremos ter no futuro".

O estudo com o título "Public Sector Shock: The impact of policy retrenchment in Europe", que conta com a colaboração de especialistas de vários países, caracteriza uma Europa que desvaloriza cada vez mais os funcionários públicos.

A organização considera que os funcionários públicos estão a ser muito afetados pelos cortes nos salários - mais do que os do privado - num fenómeno particularmente visível em Portugal.

A especialista que assina o capítulo do estudo dedicado a Portugal, Helena Rato, sublinha ainda que se até 2008 ser funcionário público significava "ter um trabalho para vida", com 76,8 por cento dos funcionários com vínculo permanente, hoje em dia já não é assim.

Helena Rato aponta ainda, no estudo consultado pela Lusa, para o congelamento das carreiras e da formação de excelência no setor público, perda de benefícios sociais e uma cada vez menor harmonização entre o trabalho e a vida familiar.

"A emigração dos portugueses mais qualificados é também uma das consequências dos cortes nos salários públicos e de outros benefícios, que têm reduzido o poder de compra dos trabalhadores do Estado para níveis muito baixos, sem expectativas de mudanças", refere.

Lusa | 29-09-2012

Comentários (1)


Exibir/Esconder comentários
...
...no séc. xxi é ainda notícia o simples jogo da oferta e da procura...o que significa que nada aprendemos com a década de 20 e de 30 do sec. anterior...
maquiavel , 29 Setembro 2012

Escreva o seu comentário

reduzir | aumentar

busy

Últimos conteúdos

A estrutura da InVerbis está organizada por anos e classificada nos correspondentes directórios.Os conteúdos publicado...

O Estado assumiu, através da empresa pública Parvalorem, a dívida de quase 10 milhões de euros de duas empresas de Vítor...

Dos 118 homicídios cometidos em 2012, 63 tiveram familiares como protagonistas • Cinco pais e 18 padrastos detidos por a...

Pedro Lomba - Na primeira metade do ano o ajustamento negociado com a troika correu dentro do normal e expectável. Mas d...

Últimos comentários

Tradução automática

Atualidade Direito e Sociedade Deixou de ser atractivo trabalhar no Estado para os mais qualificados

© InVerbis | 2012 | ISSN 2182-3138 

Sítios do Portal Verbo Jurídico