In Verbis


icon-doc
REVISTA DE 2012

O cerco

  • PDF

Luís Menezes Leitão - "(...) Este cerco do Governo aos restantes órgãos de soberania põe em causa a sobrevivência do país como Estado de Direito. Hoje não há quaisquer garantias de que a Constituição seja respeitada e os direitos fundamentais das pessoas podem a todo o momento ser postos em causa, seja pela via de cortes nos salários e pensões, seja por tributações expropriatórias (...)".

Já se sabia que Cavaco Silva não iria suscitar a fiscalização preventiva do Orçamento de Estado, apesar das inúmeras suspeitas de inconstitucionalidade que sobre o mesmo incidem. Conforme aqui escrevi, entendo que tal representa quebra do seu compromisso de defesa da Constituição pelo que, não querendo o Presidente exercer os seus poderes, melhor seria que renunciasse. O que, no entanto, não se sabia é que o Presidente iria apenas deixar passar o prazo para requerer essa fiscalização, não dando sobre essa questão uma única explicação aos cidadãos, nem sequer via facebook. O país assiste com perplexidade a um Presidente ausente, incapaz de qualquer intervenção na altura da maior crise nacional de que há memória.

Esta ausência do Presidente permite ao Governo uma estratégia de cerco total aos restantes órgãos de soberania. Ao contrário do que muitos julgaram, a começar por Marcelo Rebelo de Sousa, a mensagem de Passos Coelho sobre aqueles que beneficiam de pensões para as quais não descontaram o suficiente não visou apenas o Presidente da República. Visou ainda a Presidente da Assembleia da República, mas principalmente o Tribunal Constitucional, já que, nos termos do art. 23º-A da respectiva Lei Orgânica, os seus juízes possuem um regime de aposentação bastante mais favorável do que o comum. Passos Coelho avisou assim o Tribunal Constitucional de que, se se atrevesse a declarar inconstitucional a hipocritamente chamada "contribuição especial de solidariedade", não deixaria de o incluir nos pensionistas privilegiados que ele afirma querer combater. E está à vontade para o fazer pelo facto de, quando foi deputado, não ter requerido a pensão que generosamente o Estado concedia aos deputados.

Este cerco do Governo aos restantes órgãos de soberania põe em causa a sobrevivência do país como Estado de Direito. Hoje não há quaisquer garantias de que a Constituição seja respeitada e os direitos fundamentais das pessoas podem a todo o momento ser postos em causa, seja pela via de cortes nos salários e pensões, seja por tributações expropriatórias. Resta-nos esperar, como o moleiro de Sans-Souci, que ainda haja juízes comuns em Berlim...

Luís Menezes Leitão | Syntagma | 20-12-2012

Comentários (4)


Exibir/Esconder comentários
...
Do zombie que habita Belém não era de esperar o que quer que fosse. Já a chamada àlinha dos juízes do Tibunal Político é para levar a sério. E eles não vão querer perder os BMW´s e reformas ao fim de 9 anos a trabalhar arduamente, claro...
Sun Tzu , 20 Dezembro 2012
...
"Passos Coelho avisou assim o Tribunal Constitucional de que, se se atrevesse a declarar inconstitucional a hipocritamente chamada "contribuição especial de solidariedade", não deixaria de o incluir nos pensionistas privilegiados que ele afirma querer combater."

Quem se põe em posição de ser chantageado, tarde ou cedo o será.

smilies/grin.gifsmilies/grin.gifsmilies/grin.gif
Herr Flick, von GESTAPO , 20 Dezembro 2012
...
Não percebo o ponto do articulista... Afinal, entende que há pessoas que foram efectivamente beneficiadas com reformas a que não corresponderam descontos equivalentes, como referiu o 1ºm? Ou acha que, mesmo esses, não deverão ser beliscados em tais reformas? Ou entende que o 1ºm, por ter recusado essa reforma dourada, está impedido de cortar nas mesmas, por se entender essa acção como retaliação? Ou...
O certo é que "Não há dinheiro. Qual foi a parte da frase que não percebeste?".
GMT , 21 Dezembro 2012
...
GMT
A parte do "não".
Para perceber por que não percebi, pode começar por aqui: http://www.base.gov.pt/base2/
O falecido Joseph Goebbels , 21 Dezembro 2012 | url

Escreva o seu comentário

reduzir | aumentar

busy

Últimos conteúdos

A estrutura da InVerbis está organizada por anos e classificada nos correspondentes directórios.Os conteúdos publicado...

O Estado assumiu, através da empresa pública Parvalorem, a dívida de quase 10 milhões de euros de duas empresas de Vítor...

Dos 118 homicídios cometidos em 2012, 63 tiveram familiares como protagonistas • Cinco pais e 18 padrastos detidos por a...

Pedro Lomba - Na primeira metade do ano o ajustamento negociado com a troika correu dentro do normal e expectável. Mas d...

Últimos comentários

Tradução automática

Opinião Artigos de Opinião O cerco

© InVerbis | 2012 | ISSN 2182-3138 

Sítios do Portal Verbo Jurídico