In Verbis


icon-doc
REVISTA DE 2012

Responsabilidades

  • PDF

José Reis Santos - Dizem-nos os livros de Ciência Política que regimes democráticos são aqueles em que a população qualificada elege líderes e representantes para que, com base num programa político exposto e debatido, governem em máxima consideração contratual com o interesse do Povo. Não o fazerem, ou deturparem as premissas desta primeira directiva, significa quebrarem o contrato com os seus governados e caminhar para a ilegalização social e para a ilegitimidade ética e moral.

Na sexta-feira, o primeiro-ministro rasgou definitivamente o contrato que tinha estabelecido com os portugueses, confirmando que os alarmantes sinais de autismo político e social que tinha vindo a demonstrar são afinal genéticos e que governa apenas para gáudio de Bruxelas e Washington, escondendo-se nas saias dos mercados internacionais, do FMI e da Comissão Europeia.

Para mais, as contas da opinião pública e publicada são claras: estas medidas pouco beneficiarão o Estado, colhendo delas dividendos apenas um punhado de PME e essencialmente as grandes empresas. O impacto no défice não será significativo, não se criará emprego, nem se estimulará o mercado interno.

Apenas se confirmará o exturco de 40% da qualidade de vida a um povo já debilitado (em apenas um ano). Nunca um governo democraticamente eleito tinha mostrado tamanho desrespeito e desprezo pelo povo português e se aproximado tanto da tirania social.

É evidente que estamos perante uma conjuntura de emergência nacional a necessitar urgente ingerência da parte dos actores com capacidade de intervir no sistema político português: a Presidência da República, o próprio governo ou a oposição política e social.

O Presidente vetando qualquer OE que vincule as medidas anunciadas (ou demitindo o Governo por quebra de legitimidade social); o CDS (ou alguns barões do PSD) quebrando a solidariedade governativa por inteirar-se da falta de sentido da liderança de São Bento; e os partidos da oposição organizando-se conjuntamente com a sociedade civil e pressionando o'governo para que se demita ou revogue estas propostas.

Julgo ser o último cenário o único provável, pois não conto que Cavaco, o CDS ou o PSD intervenham. E como não creio que outro partido que não o PS possa liderar uma alternativa governamental, a responsabilidade da mudança encontra-se nos socialistas e na sociedade civil. Ora esta tem de continuar a organizar-se fora do espectro partidário e a manifestar-se livremente.

Quanto ao PS, espero que entenda estar perante a oportunidade histórica de poder liderar uma ampla coligação progressista (uma Frente Republicana e Socialista, por exemplo), especialmente se abandonar a sua política de abstenção, se se envolver na oposição ao governo (indo para a rua, apoiando manifs) e se, com capacidade auto-crítica e humildade, convide outros parceiros para a construção de uma alternativa politicamente alargada e socialmente significativa.

José Reis Santos | Diário Económico | 11-09-2012

Comentários (2)


Exibir/Esconder comentários
Pequeno detalhe
Acção política tem de ser orientada dentro da ordem jurídica. O exercício do poder tem de estar submetido ao direito.
Picaroto , 11 Setembro 2012
Silêncio ensurdecedor
S. Exa o PR, que falou várias vezes sobre este assunto, mantem-se agora que foi descaradamente afrontado calado que nem um rato.
A ver vamos se quando falar é consequente, não promulgando este desaire nacional para Portugal e os portugueses.
Luis , 11 Setembro 2012 | url

Escreva o seu comentário

reduzir | aumentar

busy

Últimos conteúdos

A estrutura da InVerbis está organizada por anos e classificada nos correspondentes directórios.Os conteúdos publicado...

O Estado assumiu, através da empresa pública Parvalorem, a dívida de quase 10 milhões de euros de duas empresas de Vítor...

Dos 118 homicídios cometidos em 2012, 63 tiveram familiares como protagonistas • Cinco pais e 18 padrastos detidos por a...

Pedro Lomba - Na primeira metade do ano o ajustamento negociado com a troika correu dentro do normal e expectável. Mas d...

Últimos comentários

Tradução automática

Opinião Artigos de Opinião Responsabilidades

© InVerbis | 2012 | ISSN 2182-3138 

Sítios do Portal Verbo Jurídico