In Verbis


icon-doc
REVISTA DE 2012

Os 60 mil que não queriam trabalhar

  • PDF

Henrique Raposo - «Era importante olhar para os 60 mil indivíduos que recusavam procurar emprego apesar de pertencerem a famílias que recebem o rendimento social de inserção (RSI).

Os números do desemprego estão a aumentar por várias razões. A mais importante é, sem dúvida, o fim da hegemonia da construção civil. Como já não é possível construir mais nada (mais estradas?, mais prédios?, mais heliportos?) e como o pouco dinheiro disponível não deve ser canalizado para PPP, o desemprego vai continuar a aumentar. É triste, mas a alternativa era ainda pior, era o mesmo que brincar com o futuro dos nossos filhos .

Ora, depois das causas óbvias, como esta desaceleração da construção, encontramos causas menos óbvias para o aumento do desemprego. Por exemplo, era importante olhar para os 60 mil indivíduos que recusavam procurar emprego apesar de pertencerem a famílias que recebem o rendimento social de inserção (RSI). Pedro Mota Soares, ministro da Segurança Social, fez muito bem em recambiar estes valorosos jovens para os centros de emprego. Num ápice, a nação recebeu assim 60 mil novos desempregados que, ora essa, não estavam para se maçar com essa coisa de procurar trabalho. Repare-se que estes 60 mil indivíduos têm idade e capacidade para trabalhar, mas tinham como modo de vida a recolha do RSI. Estamos a falar de 60 mil pessoas. É um Estádio da Luz cheio de gente que mentia à sociedade, fingindo incapacidades e recusando uma procura activa de emprego. Para estes ditosos cidadãos, o RSI era uma espécie de PPP dos pequeninos. Também tinham direito ao saque, não é verdade? Entretanto, são constantes as queixas de empresas sobre a falta de mão-de-obra em muitos sectores. Outro pormenor sem importância.

Henrique Raposo | Expresso | 04-09-2012

 

Comentários (5)


Exibir/Esconder comentários
AHHHH! ou a descoberta da polvora!
Claro que depois de inscrita nos centros de emprego, a rapaziada do RSI ficou logo a trabalhar!
Agora que já lhes foi atribuida a maçada de procurar trabalho, arranjaram logo belissimos empregos! Não é?
Não?
OHHHHHHH!
E que tal pôr os tipos a procurar a Pedra Filosofal?
Seria sem dúvida mais útil.
Podia ser que o país ficasse rico!
Kill Bill , 04 Setembro 2012
...
Coitados dos tipos do RSI (não as pessoas que precisam e que não podem trabalhar, mas sim os marmanjões que não querem trabalhar e, alguns deles, que até arranjam esquemas para receber a dobrar ou a triplicar)! Tanto que eles precisam de defensores!

E, já agora, porque não vêm para aqui defender os contribuintes que andam/andaram/andarão a sustentar uma série de marmanjões calaceiros (e alguns deles também criminosos)?

Bem sei qe no mundo dos recibos verdes há muita gente que não os passa para fugir ao fisco...mas será isto alguma lealdade de companheiros de armas (ooops, de esquemas)?
Zeka Bumba , 04 Setembro 2012
...

Tudo leva a crer que o autor sabe a verdade, mas parece-me que joga com ela para ofender.


1. É importante esclarecer que aos beneficiários do RSI já era obrigatória a inscrição no IEFP. O que passou a acontecer recentemente é que, além do beneficiário, também têm de se increver as Pessoas que vivem na mesma casa e estejam desempregadas, havendo ou não relações familiares ou partilha de bens entre eles.

2. O mais provável é que, dos 60.000 novos inscritos, nenhum beneficie de RSI directamente. Possivelmente inscreveram-se no IEFP para que algum dos membros com quem partilham a casa o continue a receber, mas não é certo que o miserável valor desse apoio seja também usufruído por eles.

3. A nova medida vai levar a uma redução dos que recebem RSI, conseguida de forma obscena. É que nem todos os beneficiários estarão em condições de impôr às Pessoas que vivem na mesma casa a inscrição no IEFP, nem de se sujeitarem a chantagem monetária ou de outro tipo por parte desses membros.

4. As únicas "vantagens" que vejo na nova medida é o Estado ter mais gente disponível para trabalho escravo e, em altura de eleições, poder retirar administrativamente essas Pessoas das listas do IEFP e assim dar o ar de que há menos desempregados...

5. Lembro ainda que estar inscrito no IEFP não é sinónimo de conseguir emprego, na maioria dos casos é um acto sem utilidade. E que mais de metade dos desempregados não recebe qualquer subsídio/apoio; milhares de Pessoas nessa situação...

Cumprimentos.
Franclim Sénior , 05 Setembro 2012
...
P: Porque será que os advogados atacam tanto quem ataca os~preguiçosos que recebem RSI indevidamente?

R: Porque esses meninos são clientes habituais dos advogados.

P: Porque é que os advogados não tomam o partido dos contribuintes trabalhadores e cumpridores?

R: 1.º Porque esses não precisam dos advogados para nada.
2.º Porque muitos advogados sempre que podem não passam recibos verdes e, por isso, fogem ao fisco.
3.º Enquanto se mantiver o RSI e o Fisco e a Segurança Social andarem ocupados a averiguar se quem recebe o RSI é mesmo necessitado, não há fiscalização da fuga ao fisco por falta de passagem de recibos verdes.
4.º Como disse o confrade Zeka Bumba, há uma espécie de lealdade entre aqueles que, cada um à sua maneira, vigarizam o Estado.


Zanzaribam , 05 Setembro 2012
...
Se soubessem como está a vida não diziam tanta treta.
ccv , 17 Setembro 2012

Escreva o seu comentário

reduzir | aumentar

busy

Últimos conteúdos

A estrutura da InVerbis está organizada por anos e classificada nos correspondentes directórios.Os conteúdos publicado...

O Estado assumiu, através da empresa pública Parvalorem, a dívida de quase 10 milhões de euros de duas empresas de Vítor...

Dos 118 homicídios cometidos em 2012, 63 tiveram familiares como protagonistas • Cinco pais e 18 padrastos detidos por a...

Pedro Lomba - Na primeira metade do ano o ajustamento negociado com a troika correu dentro do normal e expectável. Mas d...

Últimos comentários

Tradução automática

Opinião Artigos de Opinião Os 60 mil que não queriam trabalhar

© InVerbis | 2012 | ISSN 2182-3138 

Sítios do Portal Verbo Jurídico