In Verbis


icon-doc
REVISTA DE 2012

Impunidade e Constituição

  • PDF

Muitas medidas legislativas que têm afectado seriamente os portugueses violam a Constituição da República Portuguesa.

A Constitução em vigor, como alguns parece pretenderem fazer crer, não permite uma coisa e o seu contrário. A Constituição estabelece que os portugueses têm direito a uma vida digna, não permitindo a degradação das condições sociais, a fome e a miséria.

O Governo, os deputados que o apoiam e o presidente da República, que juraram cumprir a Constituição, não o fazem e nada lhes acontece.

Quem não quer cumprir a Constituição ainda tem a possibilidade de escolher quem deve fiscalizar o seu cumprimento.

Quando a impunidade começa com a lei maior e ao mais alto nível, não admira que os seus efeitos se façam sentir em casos como o Freeport, Face Oculta, submarinos, BPN, autarcas condenados que exercem funções, licenciaturas encapotadas, tráfico de influências, etc.

Ernesto Silva | Jornal de Notícias | 21-12-2012

Comentários (3)


Exibir/Esconder comentários
...
Não sei porquê, mas quando ouço falar em promulgação do OE 2013, vêm-me à cabeça uma série de palavras desgarradas como Coelha, Dias Loureiro, ações tipo galinha dos ovos de ouro, Oliveira Costa, BPN, esclarecimentos via Internet que não esclarecem coisissima nenhuma, bem como uma cena patética com bolo rei e uma bocarra atulhada com a "fava"...
Zeka Bumba , 22 Dezembro 2012
Ai Deus me valha
Transformar água em vinho só Cristo.
Portugal é uma partidocracia; há por razões de irracionalidade partidos que não riscam nada digam o aue disserem; no poder são sempre os mesmos em sábia alternancia; o encobrimento recíproco é uma estratégia evidente. O chefe do partido é escolhido por uma minoria manipupala por quem os financia. o chefe do partido escolhe quem poderá ser eleito para lugares de poder.e será o chefe do governo. Quem fugir ao seu controlo perderó os tachos políticos. Posto isto que mais se exige para a instalação de uma ditadura de facto?
Para se ter outra coisa há que romper com isto. Se assim não acontecer há que aceitar colher o que" se semeou
.
Barracuda , 22 Dezembro 2012 | url
...
Curto e directo ao assunto.
Ai Ai , 22 Dezembro 2012

Escreva o seu comentário

reduzir | aumentar

busy

Últimos conteúdos

A estrutura da InVerbis está organizada por anos e classificada nos correspondentes directórios.Os conteúdos publicado...

O Estado assumiu, através da empresa pública Parvalorem, a dívida de quase 10 milhões de euros de duas empresas de Vítor...

Dos 118 homicídios cometidos em 2012, 63 tiveram familiares como protagonistas • Cinco pais e 18 padrastos detidos por a...

Pedro Lomba - Na primeira metade do ano o ajustamento negociado com a troika correu dentro do normal e expectável. Mas d...

Últimos comentários

Tradução automática

Opinião Artigos de Opinião Impunidade e Constituição

© InVerbis | 2012 | ISSN 2182-3138 

Sítios do Portal Verbo Jurídico