In Verbis


icon-doc
REVISTA DE 2012

A escolha dos Juízes

  • PDF

Álvaro Rodrigues - Numa das minhas crónicas anteriores escrevi que fazer Justiça não consiste apenas em definir o direito, sancionar condutas culposas ou decretar insolvências.

É, antes de tudo, entender a sociedade em que se exerce tal múnus, ter a imprescindível ponderação e o bom senso para dirimir litígios, apreciar e valorar a prova, hipervalorizar o acto conciliatório sobrepondo-o à sentença, por douta e erudita que seja, sempre que tal se mostre mais adequado e eficaz para a harmonia inter-partes.

Tem-se vindo a discutir a alteração ao actual sistema de recrutamento de Juízes para os tribunais superiores, designadamente para os da Relação e para o Supremo. Ponto é, na verdade, que tais discussões não se cinjam a eruditas lucubrações sobre méritos e deméritos dos sistemas estranhos ao nosso, mas que se encontrem meios de assegurar, ao cidadão, Magistrados verdadeiramente independentes, ponderados e competentes.

Juiz não é apenas quem sabe lidar com o Direito, é essencialmente quem, com recta ratio, entende as pessoas e os seus problemas, por forma a que a Justiça não seja uma eterna aspiração nunca concretizada.

Álvaro Rodrigues, Juíz Conselheiro | Correio da Manhã | 29-09-2012

Comentários (3)


Exibir/Esconder comentários
...
Uma verdadeira ode ao "politicamente correto", à filosofia do "juiz cinzentão", que também levou a justiça deste país ao pântano em que se encontra.
Zeka Bumba , 29 Setembro 2012
...
Meu Caro Zeka Bumba, é verdade que a crónica do Cons.º A. Rodrigues será uma ode ao politicamente ~correcto». Mas há ocasiões em até essas odes devem ser escritas.
Jesse James , 29 Setembro 2012
...
Meu caro Jesse James,

O que é dito no texto (mera interpretação literal) faz sentido (e eu concordo). A "ode" está nos "subliminares" do texto. Todos sabemos o que é que significa "ponderação e o bom senso" e "hipervalorizar o acto conciliatório sobrepondo-o à sentença, por douta e erudita que seja, sempre que tal se mostre mais adequado e eficaz para a harmonia inter-partes", mas também sabemos o que, subliminarmente, poderá significar.
Zeka Bumba , 29 Setembro 2012

Escreva o seu comentário

reduzir | aumentar

busy

Últimos conteúdos

A estrutura da InVerbis está organizada por anos e classificada nos correspondentes directórios.Os conteúdos publicado...

O Estado assumiu, através da empresa pública Parvalorem, a dívida de quase 10 milhões de euros de duas empresas de Vítor...

Dos 118 homicídios cometidos em 2012, 63 tiveram familiares como protagonistas • Cinco pais e 18 padrastos detidos por a...

Pedro Lomba - Na primeira metade do ano o ajustamento negociado com a troika correu dentro do normal e expectável. Mas d...

Últimos comentários

Tradução automática

Opinião Artigos de Opinião A escolha dos Juízes

© InVerbis | 2012 | ISSN 2182-3138 

Sítios do Portal Verbo Jurídico