In Verbis


icon-doc
REVISTA DE 2012

Marinho Pinto não quer mais gangsters na advocacia

  • PDF

O bastonário da Ordem dos Advogados quer mais exigência nos exames a que os jovens advogados são sujeitos, de modo a evitar criar-se uma profissão de gangsters.

“A Ordem vendia cédulas profissionais a quem não estava preparado para exercer a advocacia. E nós já temos demasiados advogados na cadeia e muitos a fugir à justiça. Não queremos uma função de gangsters, mas uma profissão de homens e mulheres em quem se possa confiar”, afirma Marinho Pinto na Renascença.

No programa “Em Nome da Lei”, emitido todos os sábados entre as 12h00 e as 13h00, o bastonário acusa as universidades de serem responsáveis pela má formação dos alunos de Direito, justificando assim a razia que houve no último exame final da Ordem dos Advogados – uma percentagem de de chumbos.

“As universidades tratam os estudantes como clientes. Vendem-lhes os cursos, ninguém reprova. Ou é uma coisa residual”, afirma, não querendo “entrar na guerra” de apontar nomes.

“Há boas universidades privadas e há más universidades públicas e há boas universidades públicas e más privadas”, remata. As acusações do bastonário são contestadas pelo ex-responsável pelo curso de Direito da Universidade Católica, Luís Fábrica, que desafia Marinho Pinto a separar o trigo do joio: “Em Portugal há ensino do Direito de péssima qualidade e há ensino do Direito de excelente qualidade a nível mundial. O senhor bastonário devia ter a hombridade de fazer essa distinção”, pede o advogado, que logo recebe a resposta: “Mas eu não tenho feito essa distinção? Tenho dito sistematicamente que há boas e más, públicas e privadas. O que o senhor quer é que eu digo que a sua é boa e isso eu não digo!”.

Mas Marinho Pinto reconhece que a formação que a Ordem tem dado aos candidatos a advogados não tem sido a melhor e afirma mesmo que os magistrados do Ministério Público e os juízes chegam à profissão muito melhor preparados do que os advogados. Confrontado com o facto de isso ser um problema que não foi resolvido durante o seu mandato, Marinho Pinto responde que tem tido “todas as dificuldades”, inclusive “boicotes”.

Marinha Pimentel | Página 1 | 20-04-2012

Comentários (3)


Exibir/Esconder comentários
...
«O bastonário da Ordem dos Advogados quer mais exigência nos exames a que os jovens advogados são sujeitos, de modo a evitar criar-se uma profissão de gangsters».

Não percebo como os exames, que versam matéria apenas jurídica, permitem distinguir os gangsters dos não gangsters.
Será que o segredo está nesta lógica:
Todo o burro em matéria de direito reprova no exame de estágio de advocacia.
Todo o gangster é burro em matéria de direito.
Logo, todo o gangster reprova no dito exame de estágio.

Quer dizer, à partida todo o gangsters é sem apelo nem agravo burro em matérias de direito.
E os que reprovam no dito exame correm o risco de ser tidos como gangsters.
alberto ruço , 21 Abril 2012
...
Muito bem visto Alberto Ruço.
Mas parece que os "gangsters" que se têm visto na praça, não são propriamente os estagiários . Começo a pensar que o Sr. Bastonário não anda lá muito bem da cabeça, deve ser stress de tanto estudar.... E o que mais me estranha é que nenhum colega se manifeste, estranho! Até aqui revoltou-se porque a Srª Ministra da Justiça, pôs os advogados todos na mesma panela. e o que é que ele está a fazer á sua própria classe? Anda demasiado preocupado com os estagiários, porque será? Estranho mesmo.. deve ter uma pedra no sapato, tal como tem com os juizes. Deveria sim preocupar-se com a procuradoria ilicita, com os advogados que as alimentam, etc, etc. e deixar trabalhar quem quer trabalhar e a quem lhe assiste esse direito quer a nivel constitucional quer a nivel de direitos humanos. Se o advg. erra merece um procº disciplinar então terá todo o direito de se pronunciar, até aí não. Há uns anos atrás não era este o seu pensamento, mas porque será? Realmente entristece-me esse Sr., que já começa a cair no ridiculo. a figura da Ordem é semelhante ao ensino da matemática há uns tempos atrás. a culpa era sempre do aluno, mas que estranho, serão todos burros, analfabetos? até que se chegou á conclusão que o metodo era o incorrecto. Ora porque será que a Ordem não admite? Posso dizer que o meu patrono dá muito valor ao que faço, inclusive refere que ´se não fosse eu a ajudá-lo não teria hipótese alguma de aceitar determinados casos.... é sinal que não sou tão burro assim.
E digo com clareza, as formações na Ordem não me trazem nada de novo, nada. Pergunto o que me interessa a mim, as formações que constantemente me comunicam para fazer, e que tenho que pagar, o que não percebo, uma vez que já paguei ..., quem éstá a lucrar com isto, não é tambº um negócio, sinceramente....
adv. estag , 23 Abril 2012 | url
...
Enfim... ia escrever, vi o comentário do A.Ruço e pronto é isso...
Acrescento que ele não fez exames nenhuns na altura dele e que eu tirei o meu curso com muito mérito em Coimbra, não foi comprado e achei os exames estranhos e a formação muito, mas muito fraca.
Não há muito mais a dizer.
ccc , 07 Maio 2012

Escreva o seu comentário

reduzir | aumentar

busy

Últimos conteúdos

A estrutura da InVerbis está organizada por anos e classificada nos correspondentes directórios.Os conteúdos publicado...

O Estado assumiu, através da empresa pública Parvalorem, a dívida de quase 10 milhões de euros de duas empresas de Vítor...

Dos 118 homicídios cometidos em 2012, 63 tiveram familiares como protagonistas • Cinco pais e 18 padrastos detidos por a...

Pedro Lomba - Na primeira metade do ano o ajustamento negociado com a troika correu dentro do normal e expectável. Mas d...

Últimos comentários

Tradução automática

Forense Profissionais Liberais: Advogados Marinho Pinto não quer mais gangsters na advocacia

© InVerbis | 2012 | ISSN 2182-3138 

Sítios do Portal Verbo Jurídico