In Verbis


icon-doc
REVISTA DE 2017

Juízes querem poder limitar número de testemunhas

  • PDF

Os juízes querem ter o poder de limitar o número de testemunhas num julgamento, bem como a duração dos depoimentos ou ainda o definir a prova que vai a tribunal. O objetivo é ter uma justiça mais rápida e liberta de formalismos, o que implica alterações de leis.

O balanço, em jeito de apelo, é feito pelo vice-presidente do Conselho Superior da Magistratura (CSM), Mário Belo Morgado, na semana em que o órgão que nomeia, promove e disciplina os juízes comemora 40 anos.

Em entrevista ao DN (ver ao lado), o magistrado defende uma urgente alteração das leis processuais que seja "verdadeiramente consentânea com as exigências de eficácia do século XXI". Já no discurso que fez na cerimónia de comemoração, que decorreu na sexta-feira no Supremo Tribunal de Justiça (STJ) apresentou soluções que poderão melhorar o status quo: "à semelhança do que acontece em vários países europeus, os juízes devem dispor de amplos poderes de ativa gestão processual". Será também de "incentivar o uso do depoimento escrito, previamente produzido no domicílio profissional de advogados, que é o modelo mais usado no regime processual civil francês e norte-americano". O magistrado faz ainda a crítica dos recursos que chegam ao Tribunal da Relação: "se atentarmos que o julgamento de alguns processos se tem desenrolado em vários anos, é quanto basta para concluir pelo desajuste de um regime que redunda numa indiscriminada e sistemática audição do registo de declarações produzidas em audiência, ou seja, verdadeiramente num novo julgamento dos factos na 2ª instância".

Também o presidente do Supremo Tribunal e, por inerência, do CSM, Henriques Gaspar, lembrou que constitui compromisso constitucional do Conselho "garantir sempre a independência dos juízes e dos tribunais e a qualidade da justiça como direitos fundamentais dos cidadãos" e que, "na tensão democrática entre valores", o CSM compreende o sentido do valor constitucional de interdependência, na prestação de contas aos cidadãos sobre o exercício das suas responsabilidades.

Novos critérios de avaliação

Tal como DN noticiou, o paradigma tradicional da avaliação dos magistrados já está a sofrer as primeiras alterações. Para a nota dos magistrados judiciais passam agora a contar questões como o adiamento de julgamentos sem avisar os envolvidos (arguidos e testemunhas) ou se é ou não um juiz "problemático".

Deixam de ser avaliados apenas pelas falhas ou pelos atrasos nos processos que têm em mãos, como acontecia até aqui. As alterações ao Regulamento dos Serviços de Inspeção do CSM foram publicadas em Diário da República em Janeiro e preveem que as inspeções aos juízes continuem a ser realizadas a cada quatro anos, mas a avaliação passa agora a ser mais contínua, feita não apenas no momento da análise do inspetor.

Entre setembro de 2015 e agosto de 2016 foram aplicadas 39 penas disciplinares a magistrados judiciais, sendo uma de demissão, cinco de aposentação compulsiva e cinco de suspensão. Foram feitas 330 inspeções ordinárias e 19 inspeções extraordinárias. As inspeções são feitas por magistrados experientes, os quais são nomeados em comissão de serviço pelo Conselho Superior da Magistratura. Podem ser juízes da Relação ou, excecionalmente, juízes de direito com mais de 15 anos de serviço.

Filipa Ambrósio de Sousa | Diário de Notícias | 26-03-2017

Comentários (3)


Exibir/Esconder comentários
...
Querem, mas nunca o irão conseguir. Quem manda nas alterações legislativas são os advogados. O resto é pura conversa.
Trabalhem escravos galegos, como sempre fizeram e deixem-se de conversas!
Alcides , 27 Março 2017 - 23:44:57 hr.
...
1.
Uma testemunha é alguém que constatou um facto e depois o descreve em tribunal de acordo com aquilo que verificou (interpretou), guardou na memória e ainda recorda no momento em que está a ser interrogada.
Poderá em certos casos referir aquilo que ouviu dizer a outra pessoa.
Se as testemunhas em tribunal dissessem apenas aquilo que verificaram e recordam quando estão a ser ouvidas, como é seu dever, o tempo da inquirição seria reduzido provavelmente para metade.
Claro que a culpa não é só da testemunha, mas também e principalmente de quem a interroga.
Aqui está uma causa de demora que não vejo como possa ser resolvida, até porque nunca a vi mencionada em qualquer estudo, mas existe.
2.
Em regra, se três testemunhas tiverem descrito em tribunal um facto sem entrarem em contradição, um quarto testemunho acrescenta muito pouco, ou nada, aos três já produzidos.
Poderá estar aqui um fundamento para dispensar a inquirição de mais testemunhas.
Se alguém quiser convencer o tribunal acerca da realidade de um facto deve antes procurar a diversidade de meios probatórios, em vez de colocar toda a «despesa» às costas das testemunhas.
Por vezes, uma perícia permitiria dispensar o depoimento de uma dezena de testemunhas arroladas para provar alguns factos.
alberto ruço , 28 Março 2017 - 15:57:56 hr.
...
A maior parte das testemunhas não testemunha nada. São abonatórias e poderiam depor por escrito.
Valmoster , 03 Abril 2017 - 17:49:31 hr.

Escreva o seu comentário

reduzir | aumentar

busy

InVerbis 2018

Os conteúdos de 2018 desta revista digital passaram a ser publicados em novo diretório.

Revista InVerbis 2018

Últimos conteúdos

Um investigador da Universidade do Minho criou uma técnica para ajudar as testemunhas a recordarem com maior precisão o ...

Foi o pacto possível. Advogados inviabilizaram medidas mais musculadas no combate à criminalidade económico-financeira. ...

A empresa ANA - Aeroportos de Portugal, que gere os aeroportos nacionais, cobra uma taxa de 11,28 euros aos advogados qu...

Com o termo do ano, cessaram as publicações de conteúdos nesta Revista Digital de 2017.Para aceder aos conteúdos publi...

Últimos comentários

Forense Magistrados: Juízes Juízes querem poder limitar número de testemunhas

© InVerbis | Revista Digital | 2017.

Arquivos

Sítios do Portal Verbo Jurídico