In Verbis


icon-doc
REVISTA DE 2017

Blogger do NYT que previu a crise vai processar o Estado

  • PDF

Ministério Público recorreu de arquivamento mas Relação confirma: Peter Boone não manipulou dívida. Professor de Harvard acusa MP e CMVM de investigação "negligente e incompetente".

A decisão é final e clara: Peter Boone é inocente. Dois anos depois da acusação do Ministério Público (MP) por manipulação de mercado e mais de sete passados sobre a investigação da CMVM por suspeitas de conspiração criminosa para influenciar o preço da dívida portuguesa, o Tribunal da Relação dá razão ao blogger do New York Times. A sentença transitou em julgado há cinco dias e confirma a decisão de arquivamento da juíza de Instrução, em outubro, de que o MP recorrera.

A Relação concluiu que o artigo que deu origem ao caso, em que o economista previa que Portugal teria de pedir ajuda, era "exato e não parcial ou exagerado", dando como certo não haver "indícios de qualquer conspiração para reduzir o valor da dívida portuguesa" e considerando que o autor reportou "de forma correta e completa os seus interesses e afiliações, de acordo com as boas práticas internacionais". E afirma que os termos da acusação violaram os direitos de Boone, de acordo com o artigo 7.º da Convenção Europeia dos Direitos do Homem e o artigo 5.º da Carta dos Direitos Fundamentais da União Europeia.

Agora é Peter Boone que vai entrar com uma ação contra o Estado, por "investigação grosseiramente incompetente e negligente" da CMVM e do MP. O professor de Harvard está ainda a ponderar avançar judicialmente contra os autores de dois relatórios da CMVM que diz terem omitido informação que provava a sua inocência e integridade, "ao mesmo tempo que fabricavam falsas acusações de conspirações, que foram refletidas na acusação".

"Aliviado e feliz" por o processo - uma "caça às bruxas" com origem numa "declaração pública do antigo ministro das Finanças" - ter chegado ao fim, o economista critica a postura de reguladores e procuradores que usam "instituições do Estado para fabricar casos contra os críticos, em vez de se focarem em prevenir o custo das crises financeiras que emergem sob os seus olhos".

O caso teve origem num artigo publicado a 15 de abril de 2010, coassinado por Boone e pelo antigo economista-chefe do FMI Simon Johnson (que não foi acusado) no blog do NYT, Economix. Nele, previam que Portugal, com uma dívida que se encaminhava para os 108% do PIB em 2012 (na verdade, atingiu os 126,2% nesta altura) e sem pensar nos cortes que precisava de fazer, caminhava rapidamente para a crise e o inevitável pedido de resgate, à semelhança do que acontecera na Grécia. Afirmações que o governo descartou, com o então ministro Teixeira dos Santos a dizer que eram "disparates sem fundamentação sólida, reveladores de ignorância" e levando o ex-Presidente, Cavaco Silva, a negar que a situação do país pudesse comparar-se com a da Grécia, a da Islândia ou a da Irlanda.

Teixeira dos Santos "sentiu-se ofendido por eu ter questionado algumas das más decisões económicas que ele e os seus pares estavam a prosseguir", diz Peter Boone, que cinco dias após sair o artigo via a CMVM abrir-lhe uma investigação por suspeitas de tentativa de manipulação do preço das obrigações. No primeiro relatório - publicado a 7 de abril de 2011, um dia depois de se confirmar o pior, com o então primeiro-ministro José Sócrates a pedir assistência - concluía-se que o artigo fora exagerado e parcial e que Boone conspirara com clientes da Salute Capital Management (sociedade de aconselhamento financeiro da qual era administrador) para beneficiar da sua exposição potencial à dívida portuguesa. O segundo relatório da CMVM, já em 2012, acusava-o de tentar manipular o mercado, por não fazer uma declaração de interesses sobre os clientes da Salute, e deixar implícito que o governo era uma organização criminosa.

Os relatórios dão origem à investigação criminal e em outubro de 2015 Boone é acusado pelo MP, no processo de manipulação de mercado que agora chega ao fim, com a Relação a inocentar o economista de todas as suspeitas.

Joana Petiz | Diário de Notícias | 17-07-2017

Comentários (0)


Exibir/Esconder comentários

Escreva o seu comentário

reduzir | aumentar

busy

InVerbis 2018

Os conteúdos de 2018 desta revista digital passaram a ser publicados em novo diretório.

Revista InVerbis 2018

Últimos conteúdos

Foi o pacto possível. Advogados inviabilizaram medidas mais musculadas no combate à criminalidade económico-financeira. ...

A empresa ANA - Aeroportos de Portugal, que gere os aeroportos nacionais, cobra uma taxa de 11,28 euros aos advogados qu...

Com o termo do ano, cessaram as publicações de conteúdos nesta Revista Digital de 2017.Para aceder aos conteúdos publi...

Os tribunais não estão preparados para protegerem os cidadãos que frequentam os edifícios, nem existe qualquer determina...

Últimos comentários

Atualidade Direito e Sociedade Blogger do NYT que previu a crise vai processar o Estado

© InVerbis | Revista Digital | 2017.

Arquivos

Sítios do Portal Verbo Jurídico