In Verbis


icon-doc
REVISTA DE 2016

Militares, polícias, magistrados: Poder político alvo de “alerta” inédito

  • PDF

Encontro "inédito" junta trabalhadores das funções soberanas do Estado. Os responsáveis de 15 associações profissionais estão cansados dos ataques à "dignidade" por parte dos responsáveis políticos.

É um encontro sem precedentes: 15 associações sindicais, das Forças Armadas aos diplomatas, das polícias aos magistrados do Ministério Público, Impostos e trabalhadores dos Registos e Notariado juntaram-se para “lançar um alerta” aos responsáveis políticos portugueses. Une-as o facto de representaram áreas de soberania do Estado e de sentirem que estão há demasiado tempo a ser desrespeitadas pelos sucessivos Governos.

A conferência “Funções soberanas do Estado” vai decorrer esta quinta-feira, na Universidade Católica, para fazer uma “chamada de atenção” conjunta. Ao Observador, membros do grupo de todas estas associações — que não podem converter-se em sindicatos — destacam o caráter “inédito” do encontro e admitem que, em várias das áreas representadas na conferência, o incómodo das hierarquias já se fez sentir.

Também estava previsto que o Presidente da República fizesse a intervenção da abertura da conferência. A presença chegou a estar confirmada — consta, aliás, do cartaz oficial que dá conta do encontro –, mas Marcelo Rebelo de Sousa acabou por desmarcar a sua presença, alegando motivos de agenda: o chefe de Estado vai estar em Belém a ouvir os partidos com representação parlamentar sobre o Orçamento do Estado para 2017. Na sua vez, Marcelo enviou um representante da presidência da República.

As profissões que desempenham funções de soberania no Estado entendem que o Estado não lhes tem dado a devida importância a estas funções, [apesar de serem] pilares do Estado e da Democracia que, ao longo dos anos, têm sido encaradas como uma mera despesa e não como funções essenciais para o Estado”, refere António Ventinhas, presidente do Sindicato dos Magistrados do Ministério Público (SMMP) e um dos promotores do encontro.
O tom é de descontentamento geral, mas a palavra é dada aos de fora.

A conferência terá duas mesas de discussão: uma sobre “Defesa, Política Externa e Segurança“, com a participação do ex-ministro da Defesa e da Administração Interna Nuno Severiano Teixeira, o constitucionalista Jorge Bacelar Gouveia e António Almeida de Moura, capitão de mar-e-guerra; o segundo debate será sobre “Justiça e Finanças” e terá intervenções dos professores universitários Eduardo Paz Ferreira, Luís Fábrica, José Lobo Moutinho e Mónica Jardim.

António Ventinhas justifica o facto de nenhum elemento das associações que organizaram o encontro (ver lista no final) ter intervenções programadas com o objetivo da conferência. “Não pretendemos que esta conferência seja corporativa, que dê a ideia de que queremos uma dignificação das funções soberanas do Estado em função das nossas próprias interesses corporativos”, justifica o presidente do SMMP.

Um estado que renuncia à sua própria soberania não pode ser soberano”, sublinha o procurador da República.
Para abarcar todos os presentes é preciso percorrer uma lista extensa: procuradores, funcionários judiciais, inspetores do Serviço de Estrangeiros e Fronteiras, Guardas Prisionais, trabalhadores dos Impostos e dos Registos e Notariados, Diplomatas, Forças Armadas (entre oficiais, sargentos, praças e militares na reserva e na reforma), militares da GNR, agentes da PSP, inspetores da Polícia Judiciária e elementos da Polícia Marítima — vão estar todos juntos, no anfiteatro da Universidade Católica, para defender a “dignificação” das funções soberanas do Estado e tentar contrariar “um processo que se arrasta há vários anos”. Em tom de brincadeira, quase se interpreta na reunião magna de áreas de soberania uma revolta institucional.

Não é disso que se trata, garantem os vários responsáveis, sem esconder que o timing ideal talvez fosse outro. “Os argumentos que são válidos agora seriam muito mais válidos, ou tão válidos, há um ano”, quando o país estava sob intervenção externa, a braços com um resgate financeiro, e as decisões internas obrigavam o Governo a requerer um crivo de Bruxelas. Porquê, então, um encontro desta dimensão nesta altura? Porque “a conjuntura assim o permitiu” e porque só agora foi possível “o encontro das vontades das muitas associações”, justifica.

No foco dos vários dirigentes associativos há uma ideia central: “O Estado tem abdicado da sua própria soberania, quer por razões externas quer por razões internas, e queremos que o Estado seja soberano e que as funções soberanas do Estado sejam respeitadas”, sublinha Ventinhas, porta-voz informal do grupo.

Os problemas “graves” são transversais às diferentes áreas, porque “muitas vezes o Estado faz uma gestão à flor da pele, de orçamento ano a ano, e não tem uma perspetiva de médio ou ongo prazo sobre o que o Estado quer ser”. É também esse o debate que se quer promover esta quinta-feira: “Que Estado queremos ser?“.

A conferência começou a ser organizada há mais de meio ano e, pelo caminho, a lista de organizadores foi crescendo. Esta terça-feira, contava com 15 associações sindicais:
Sindicato dos Magistrados do Ministério Público
Sindicato dos Funcionários Judiciais
Sindicato da Carreira de Investigação e Fiscalização do Serviço de Estrangeiros e Fronteiras
Sindicato Nacional do Corpo da Guarda Prisional
Sindicato dos Trabalhadores dos Impostos
Sindicato dos Trabalhadores dos Registos e Notariado
Associação Sindical dos Diplomatas Portugueses
Associação dos Oficiais das Forças Armadas
Associação Nacional de Sargentos
Associação de Praças
Associação dos Militares na Reserva e Reforma
Associação dos Profissionais da Guarda
Associação de Funcionários de Investigação Criminal da Polícia Judiciária
Associação Sindical dos Profissionais de Polícia
Associação Sócio-Profissional da Polícia Marítima

Observador | 19-10-2016

Comentários (5)


Exibir/Esconder comentários
... , Comentário com excessivos votos negativos [Mostrar]
...
Como sempre, "cadê" os juízes?
mau mau Maria , 21 Outubro 2016 - 01:39:17 hr.
Muito bem
Gosto muito de ver o Ministério Público no seu lugar, com todos os demais funcionários.
E gosto mais ainda de não ver os Juízes misturados nisto.
Dito isto, entendo não apenas legítimo como compreensível que os sindicatos organizem e participem nestas iniciativas, pois são reais as ameaças.
Joseph Seven , 21 Outubro 2016 - 14:52:11 hr.
...
Interessante.
Um evento que visa falar das funções soberanas do Estado... e os juízes ... principal função soberana do Estado logo a seguir ao PR, PAR e GOV ... primam pela ausência!
Porreiro, pá! (ah, desculpem, esta tem direitos de autor).
Farto disto tudo , 24 Outubro 2016 - 13:59:32 hr.
...
Pois é senhor Joseph Seven é melhor fazer com a avestruz "meter a cabeça na areia".
Ou então, "o Ministério Público vai à frente dar o corpo ao manifesto".
Isso mesmo, porreiro pá !
Ai Ai , 24 Outubro 2016 - 23:27:10 hr.

Escreva o seu comentário

reduzir | aumentar

busy

Últimos conteúdos

InVerbis 2017 Com o termo do ano de 2016, cessaram as publicações de conteúdos nesta Revista Digital de 2016.Para acede...

O Sindicato dos Funcionários Judiciais (SFJ) avançou com uma providência cautelar no Tribunal Administrativo de Círculo ...

O Presidente da República afirmou esta quarta-feira em Coimbra que o sistema de justiça "é um problema", considerando qu...

Procuradores temem transferências sem consentimento que colocam em causa os princípios de estabilidade e inamovibilidade...

Últimos comentários

Tradução automática

Atualidade Direito e Sociedade Militares, polícias, magistrados: Poder político alvo de “alerta” inédito

© InVerbis | Revista Digital | 2016.

Arquivos

Sítios do Portal Verbo Jurídico