In Verbis


icon-doc
REVISTA DE 2015

Vice do STJ diz que o acordo ortográfico é inconstitucional

  • PDF

Num voto de vencido, no âmbito do caso em que foi confirmada a pena disciplinar do juiz Rui Teixeira, o vice-presidente da mais alta instância judicial denuncia que o Governo usurpou poderes e colocou em causa o princípio da identidade nacional e cultural e o direito à Língua Portuguesa.

O vice-presidente do Supremo Tribunal de Justiça Sebastião Póvoas considera que a aplicação da resolução do Conselho de Ministros que obrigou as escolas e todos os organismos do Estado a aplicar o novo acordo ortográfico é inconstitucional e não pode ser aplicada também nos tribunais.

"Independentemente de abordar a constitucionalidade e a legalidade desta resolução, é inquestionável que a mesma não se aplica aos tribunais mas, apenas, e eventualmente à Administração Pública". Sebastião Póvoas denuncia que o Conselho de Ministros, com esta resolução que é "inconstitucional a título orgânico", violou "os princípios da separação de poderes", não respeitou a "equiordenação entre os órgãos de soberania" e a "independência dos tribunais". Acusa também o Conselho de Ministros de "usurpação de poderes".

A denúncia foi deixada pelo magistrado da mais alta instância judicial em Portugal numa declaração de voto de vencido a propósito da decisão do Supremo que recentemente confirmou a pena disciplinar ao juiz Rui Teixeira por este ter rejeitado receber documentos com o novo acordo ortográfico. "Nos tribunais, os factos não são fatos, as actas não são uma forma do verbo atar, os cágados continuam a ser animais e não algo malcheiroso e a Língua Portuguesa permanece inalterada até ordem em contrário", escreveu então Rui Teixeira num despacho.

Sebastião Póvoas concorda e elogia aquele juiz, destacando que foi "rigoroso" por ter, afinal, tentado evitar "a aplicação de um tratado não vigente".

E porquê é que o tratado não está afinal em vigor? "Se o Acordo/Tratado não foi ratificado por todos os Estados que o subscreveram (e não o foi, seguramente, por Angola e Moçambique) não está em vigor na ordem jurídica internacional", esclarece Sebastião Póvoas.

O juiz avisa que o novo acordo ortográfico coloca em causa princípios e direitos consagrados na Constituição da República, como o "princípio da identidade nacional e cultural", o "direito à Língua Portuguesa" e o "princípio da independência nacional devido às remissões para usos e costumes de outros países, para se apurar quais as normas resultantes de algumas disposições do acordo ortográfico, que remetem para o critério da pronúncia".

Neste ponto, o Sebastião Póvoas sublinha que a Constituição "não pode ser alterada através de uma lei de revisão constitucional, mediante a consagração de vocábulos estranhos ao Português europeu, seguindo o acordo ortográfico, por atentar contra limites materiais de revisão".

A resolução do Conselho de Ministros de 2011 determinou que, "a partir de 1 de Janeiro de 2012, o Governo e todos os serviços, organismos e entidades sujeitos aos poderes de direcção, superintendência e tutela do Governo aplicam" a nova grafia "em todos os actos, decisões, normas, orientações, documentos, edições, publicações, bens culturais ou quaisquer textos e comunicações". Para o vice-presidente do Supremo, porém, esta resolução "consubstancia uma ordem" e um poder que o Governo "não tem em relação à administração indirecta e à administração autónoma", onde se incluem os tribunais.

No caso concreto de Rui Teixeira, o Supremo considerou que o juiz violou o dever de obediência e de correcção. Estava em causa uma comunicação do Conselho Superior da Magistratura (CSM) datada de 2012. O CSM concluiu que não pode indicar aos juízes se deveriam ou não escrever conforme o novo acordo ortográfico ao mesmo tempo que os advertiu que não poderiam indicar aos "intervenientes processuais quais as normais ortográficas a aplicar".

Sebastião Póvoas salienta que esta deliberação do CSM não foi comunicada aos juízes. O conselho "limitou-se a constar [publicar] a acta no sítio do CSM e não nos lugares próprios", que neste caso, "seriam as janelas, avisos" ou "circulares que os juízes consultam". Lembra ainda que os "tribunais são independentes e apenas estão sujeitos à lei" e não a "ordens e instruções". O conselho, sendo um órgão de gestão e disciplina, não pode dar ordens aos juízes, conclui.

Muitos juízes e procuradores estão a favor e outros tantos contra a nova grafia pelo que a questão não é pacífica no meio judicial. A presidente da Associação Sindical dos Juízes Portugueses, Maria José Costeira, e o presidente do Sindicato dos Magistrados do Ministério Público, António Ventinhas, recusaram, aliás, comentar o tema.

Já em 2012, um juiz do tribunal de Viana do Castelo emitiu uma ordem de serviço proibindo a utilização da grafia do novo acordo ortográfico, alegando que os tribunais não estão abrangidos pela resolução do Governo. Para o juiz, além da questão legal, estava em causa a interpretação jurídica dos textos que se poderiam tornar indecifráveis em casos, por exemplo, em que "corretores" da Bolsa e a função de "corrector" não são, mas podem parecer a mesma coisa com a nova grafia.

Pedro Sales Dias | Público | 10-07-2015

Comentários (4)


Exibir/Esconder comentários
...
escrevamos em mirandês!!!!!!!!!!
mirandum , 10 Julho 2015 - 08:19:29 hr.
...
Parabéns ao Sr. Conselheiro Sebastião Póvoas por este voto de vencido.
Indignado , 10 Julho 2015 - 17:15:26 hr.
O Senhor Juiz Sebastião está cheio de razão.
O voto de vencido foi um ato ativo e muito corajoso, poid na perspetiva legal a análise está correta.
Carlos , 10 Julho 2015 - 21:07:00 hr.
Decisão bem confirmada
Uma coisa é a posição do juiz que não quer usar o acordo ortográfico.
Outra bem diferente é obrigar os outros intervenientes a não usar o acordo, que vincula a Administração Pública.
Os EUA também não ratificaram o acordo de Kyoto e ele está em vigor...
A não ratificação do acordo pelos dois países mencionados não invalida a sua aplicação neste país.

Não concordo com o acordo e mantenho a grafia antiga, mas a aplicação da pena foi mínima atento o protagonismo da pessoa em causa e as suas relações interpessoais.

Quanto ao mirandês, teria certamente o apoio do PTRL...

Outro juiz teria levado com uma pena de multa ou suspensão.
... , 12 Julho 2015 - 11:07:52 hr.

Escreva o seu comentário

reduzir | aumentar

busy

Últimos conteúdos

Com o termo do ano de 2015, cessaram as publicações de conteúdos nesta Revista Digital de 2015.Para aceder aos conteúdos...

Relatório de gestão da comarca de Lisboa revela falta de dinheiro para impressoras, papel higiénico, envelopes e lâmpada...

Mudança ignorou dúvidas de constitucionalidade levantadas pelos dois conselhos superiores dos tribunais, pela Associação...

Portugal assinala 30 anos de integração europeia a 1 de Janeiro, e três décadas depois de ter aderido à então Comunidade...

Últimos comentários

Atualidade Tribunais Vice do STJ diz que o acordo ortográfico é inconstitucional

© InVerbis | Revista Digital | 2015.

Arquivos

• Arquivos 2012 | 2013 |2014 |
Arquivo 2007-2011
Blog Verbo Jurídico
(findo)

Sítios do Portal Verbo Jurídico