In Verbis


icon-doc
REVISTA DE 2015

Tribunais sem carros para transporte de processos

  • PDF

A nova organização dos tribunais, que arrancou em Setembro passado, obriga ao transporte permanente de processos entre vários serviços da mesma comarca. Contudo, não existem carros para fazer este transporte. Por isso, muitas vezes, esse transporte tem que ser feito com recurso aos transportes públicos ou ao correio. A queixa foi feita pelo vice-procurador-geral da República, Adriano Cunha, este sábado, no encerramento do X Congresso do Ministério Público, em Vilamoura.

À saída, o número dois da hierarquia do Ministério Público explicou ao PÚBLICO o exemplo da Madeira, lembrando que a reforma apostou na concentração de serviços nas sedes de distrito e na especialização de serviços. "Todos os inquéritos da ilha são controlados por juízes de instrução concentrados no Funchal. Por isso, os processos têm necessariamente que andar de um lado para o outro", afirmou. E acrescentou: "Há comarcas sem carro e outras que têm apenas uma viatura." O magistrado adiantou que os tribunais estão à espera de dez novos veículos, mas sublinhou que estes não serão suficientes para as necessidades das 23 novas comarcas.

Adriano Cunha lamentou ainda "as carências notórias" ao nível informático e a falta de instalações adequadas. O magistrado recordou que o novo modelo obrigou à centralização de serviços nas sedes de distrito e que muitas instalações não foram adaptadas por falta de verbas. "No distrito de Viseu a grande maioria dos magistrados foi trabalhar para Viseu. Agora está tudo apertadíssimo."

No discurso, o vice-procurador-geral da República reconheceu que a reforma do mapa judiciário era necessária, mas lamentou que o seu "arranque tenha sido prejudicado pela falta do necessário investimento em infra-estruturas logísticas", como instalações, funcionários, sistemas informáticos e até automóveis. "Nas comarcas não existem coisas tão simples como veículos para transportar pessoas e processos", disse.

Num tom conciliador, afirmou que o Ministério Público tem assumido "a única atitude que poderia tomar: uma colaboração leal, ainda que construtivamente crítica, na tentativa de obviar as dificuldades e maximizar as virtualidades da reforma". E justificou: "É isto que lhe é imposto pelo interesse público." Mesmo assim, acabou por reconhecer que esta magistratura tem encontrado "especiais dificuldades", porque alguns traços da reforma "se adaptam mal às características de autonomia do Ministério Público" e devido à falta de adaptação do estatuto dos procuradores à nova organização.

Na parte da manhã, coube ao director-executivo do Centro de Estudos Sociais (CES), João Paulo Dias, arrasar a forma como foi lançada a reforma: à pressa, sem meios nem relatórios a fundamentá-la. O investigador lamentou que os cidadãos, os últimos destinatários destas mudanças, não tenham sequer recebido um folheto informativo nas suas caixas do correio, defendendo que tal era "o mínimo" que se impunha face àquela que é considerada a principal reforma na Justiça dos últimos 100 anos. "Os políticos lembram-se dessas ferramentas apenas para distribuir panfletos eleitorais", criticou.

"O novo mapa foi implementado sem experiências-piloto para detectar e corrigir eventuais problemas", disse ainda o director-executivo do CES. Problemas "que vieram a ser evidentes, ao nível informático, condições físicas dos edifícios, formação dos profissionais, informação à opinião pública".

Mariana Oliveira | Público | 07-03-2015

Comentários (2)


Exibir/Esconder comentários
... , Comentário com excessivos votos negativos [Mostrar]
Congresso? LOL
Congresso do Ministério Público? Eu fico espantado com tanta lata. É uma assembleia geral de um sindicato de trabalhadores do MP, apenas e só isso. É a mesma coisa que uma assembleia geral de um sindicato da função pública se auto-denominar Congresso da Administração Pública, que pomposo...
Peneiras à parte, regista-se a participação da sra. PGR e do sr. vice-PGR no "Congresso", o que suscita dois comentários.
Por um lado, a confissão pública da evidente colagem entre o sindicato e o topo da hierarquia, o que só demonstra aquilo que todos já sabem: o sindicato hoje em dia para pouco ou nada serve, senão enquanto uma cinzenta feira de vaidades de quem quer por lá passar.
Por outro lado, a exibição pública das eminentes personagens de topo da hierarquia do MP (que não se coibem de opiniar sobre assuntos cuja competência não lhes pertence, mas apenas ao poder executivo), só confirma aquilo que alguém uma vez disse: os magistrados quando chegam a estes lugares já não são magistrados, são políticos.
IDM , 12 Março 2015 - 11:36:15 hr. | url

Escreva o seu comentário

reduzir | aumentar

busy

Últimos conteúdos

Com o termo do ano de 2015, cessaram as publicações de conteúdos nesta Revista Digital de 2015.Para aceder aos conteúdos...

Relatório de gestão da comarca de Lisboa revela falta de dinheiro para impressoras, papel higiénico, envelopes e lâmpada...

Mudança ignorou dúvidas de constitucionalidade levantadas pelos dois conselhos superiores dos tribunais, pela Associação...

Portugal assinala 30 anos de integração europeia a 1 de Janeiro, e três décadas depois de ter aderido à então Comunidade...

Últimos comentários

Atualidade Tribunais Tribunais sem carros para transporte de processos

© InVerbis | Revista Digital | 2015.

Arquivos

• Arquivos 2012 | 2013 |2014 |
Arquivo 2007-2011
Blog Verbo Jurídico
(findo)

Sítios do Portal Verbo Jurídico