In Verbis


icon-doc
REVISTA DE 2015

Covilhã: T. Trabalho com paredes a ruir e soalho podre

  • PDF

Covilhã: Segurança de funcionários e utentes em causa. Juiz-presidente garante que edifício não aguenta mais um inverno. Imbróglio judicial trava transferência. Na última inundação, molharam-se processos e ficaram danificados documentos. As paredes ameaçam ruir e o quadro elétrico desliga-se constantemente.

O Tribunal do Trabalho da Covilhã não aguenta mais um inverno. Instalado num edifício arrendado pelo Ministério da Justiça, situado na zona mais antiga da cidade da Covilhã, o Tribunal do Trabalho está em completa ruína, sem o mínimo de dignidade e de condições para utentes, magistrados, funcionários e advogados. O tribunal teve mais uma inundação no final de outubro. O soalho está podre e as paredes estão a ruir. A situação já ultrapassou o limite, a segurança dos funcionários e cidadãos está em causa.

"O edifício está cheio de problemas estruturais. Os cidadãos que se dirigem a este tribunal, muitos dos quais sinistrados, não têm sítio para deixar o carro ou para poder avançar com uma cadeira de rodas", queixa-se o juiz-presidente do Tribunal da Comarca de Castelo Branco, José Avelino.

Na Secção de Processos, as janelas estão calafetadas com fita-cola. No verão, o adesivo também não se retira porque as janelas não se podem abrir, corre-se o risco de caírem. As estantes estão cobertas com plásticos para evitar que os processos arquivados sejam molhados. O quadro elétrico está constantemente a desligar. E lá dentro chove como na rua. Na última inundação, molharam-se processos e estragaram-se documentos.

2015-11-23-jn1

2015-11-23-jn2

Possível mudança para o Fundão

Técnicos da Direção-Geral da Administração da Justiça estiveram a 10 de fevereiro na Covilhã a proceder a estudos técnicos para a reinstalação da secção do Trabalho.

"Os procedimentos administrativos e financeiros da alçada do Ministério da Justiça e do Conselho de Gestão estão concluídos", garante José Avelino. Falta, assim, a desocupação de um imóvel disponibilizado pela Autarquia covilhanense em 2014. Trata-se da antiga Casa dos Magistrados, junto ao Tribunal Judicial da Covilhã. Contudo, nestas instalações está instalada a Rude – Associação de Desenvolvimento Rural, que se recusa a sair, alegando que o espaço lhe foi cedido pela anterior Autarquia por um período de 20 anos. Câmara e Rude travam agora um braço de ferro em tribunal: encontram-se pendentes dois procedimentos judiciais no Tribunal Administrativo e Fiscal de Castelo Branco ( ver caixa).

"Este ano, o Ministério disponibiliza verbas para fazer as obras e se passa este ano já não garantimos nada" adianta o responsável pelo órgão de gestão da comarca, que não coloca de parte a possibilidade de transferir o tribunal para as instalações do Tribunal de Comércio do Fundão. "Apenas será sugerida a transferência, se a muito curto espaço de tempo não se resolver a situação", completa José Avelino.

 

 

Célia Domingues | Jornal de Notícias | 23-11-2015

Comentários (4)


Exibir/Esconder comentários
ora ora...
Tribunal do trabalho?" do trabalho" ? Permitam-me a esclamação! Então mas este país está estupidificado? Ainda se fosse um tribunal do "CAPITAL" estava bem compôr. Agora para uns pelintras que acham que devem ter um salário garantido á custa dos patrões, não faz sentido nenhum andar a gastar o erário público!
É por estas e por outras que o Sr. Silva das Vacas anda preocupadissimo com o tamanho da banana dos madeirenses, com a nidificação das c***rras e com os gemidos de prazer das vaquinhas enquanto são ordenhadas! Viva o que é importante!
Kill Bill , 23 Novembro 2015 - 19:14:20 hr.
...
Uma tristeza. Coisas destas não passam nas TVs
Pires, o sadino , 23 Novembro 2015 - 20:54:14 hr.
...
Para isto o CSM não tem objectivos estratégicos, nem gestão estratégica. Viva a funcionalização, o trabalho escravo e sem dignidade. O pensamento dos que agora lideram esse órgão é: trabalhem 18h por dia que os processos desaparecem desse sítio e já não há riscos de incêndio nem humidades.
Try to be submissive that it will work , 23 Novembro 2015 - 21:01:46 hr.
...
então porque é que juízes, MP, oficiais de justiça e advogados trabalham lá?''''
from Vimioso with love para todos , 24 Novembro 2015 - 09:09:13 hr.

Escreva o seu comentário

reduzir | aumentar

busy

Últimos conteúdos

Com o termo do ano de 2015, cessaram as publicações de conteúdos nesta Revista Digital de 2015.Para aceder aos conteúdos...

Relatório de gestão da comarca de Lisboa revela falta de dinheiro para impressoras, papel higiénico, envelopes e lâmpada...

Mudança ignorou dúvidas de constitucionalidade levantadas pelos dois conselhos superiores dos tribunais, pela Associação...

Portugal assinala 30 anos de integração europeia a 1 de Janeiro, e três décadas depois de ter aderido à então Comunidade...

Últimos comentários

Atualidade Tribunais Covilhã: T. Trabalho com paredes a ruir e soalho podre

© InVerbis | Revista Digital | 2015.

Arquivos

• Arquivos 2012 | 2013 |2014 |
Arquivo 2007-2011
Blog Verbo Jurídico
(findo)

Sítios do Portal Verbo Jurídico