In Verbis


icon-doc
REVISTA DE 2015

Será este o novo Governo PS

  • PDF

A grande novidade de António Costa surge na Justiça, uma pasta que o novo primeiro-ministro já ocupou. Francisca Van Dunem, Procuradora-geral Adjunta, responsável pelo Ministério Público no distrito de Lisboa, vai ser a nova responsável pela Justiça.

21governoconstitucional
Grafismo: SOL | 24-11-2015

Primeiro-ministro - António Costa
Ministro das Finanças - Mário Centeno
Ministro Adjunto - Eduardo Cabrita
Ministro dos Negócios Estrangeiros - Augusto Santos Silva
Ministra da Presidência e da Modernização Administrativa - Mª Manuel Leitão Marques
Ministra da Justiça - Francisca Van Dunem
Ministra da Administração Interna - Constança Urbano de Sousa
Ministro da Defesa - Azeredo Lopes
Ministro do Planeamento e Infraestruturas - Pedro Marques
Ministro da Economia - Manuel Caldeira Cabral
Ministro da Trabalho, Solidariedade e Segurança Social - José António Vieira da Silva
Ministro da Saúde - Adalberto Campos Fernandes
Ministro da Educação - Tiago Brandão Rodrigues
Ministro da Ciência Tecnologia e Ensino Superior - Manuel Heitor
Ministro do Ambiente - João Pedro Matos Fernandes
Ministro da Agricultura - Capoulas Santos
Ministra do Mar - Ana Paula Vitorino
Ministro da Cultura - João Soares
Secretária de Estado Adjunta do Primeiro-ministro - Mariana Vieira da Silva
Secretário de Estado dos Assuntos Parlamentares - Pedro Nuno Santos
Secretário de Estado da Presidência do Conselho de Ministros - Miguel Prata Roque

É na justiça que surge uma mudança de rumo em relação aos últimos muitos anos, com a escolha de um magistrado do Ministério Público. Francisca Van Dunem é Procuradora-geral Adjunta. Desde o início dos anos 90 que o ministro da Justiça não "nascia" desse ramo da magistratura, do Ministério Público. O último exemplo foi Laborinho Lúcio, entre 1990 e 1995, nos governo de Cavaco Silva.

Na Administração Interna surge outra mulher - Constança Urbano de Sousa. Membro da Comissão Nacional do PS, passou há uns anos pela Representação Permanente de Portugal junto da União Europeia, e teve então como pasta, precisamente, as questões relacionadas com a justiça e a administração interna.

Na defesa, outra surpresa. Azeredo Lopes, atual chefe de gabinete de Rui Moreira na Câmara Municipal do Porto, e antigo responsável pela ERC - Entidade Reguladora da Comunicação Social, fica com a coordenação das Forças Armadas.

Nos Negócios Estrangeiros, uma cara conhecida dos últimos governos socialistas desde os tempos de António Guterres - Augusto Santos Silva, que já foi ministro da educação, responsável pelos Assuntos Parlamentares, e ministro da Defesa, assume agora o controlo da diplomacia.

Outro nome que está de regresso é Pedro Marques, antigo secretário de estado da Segurança Social entre 2005 e 2011. Depois de uma curta passagem pelo privado - abandonou a atividade política, renunciou ao mandato de deputado em outubro do ano passado para se dedicar à consultadoria -, Pedro Marques regressa à política para assumir a pasta do Planeamento e Infraestruturas, o ministério que vai gerir os fundos europeus.

Maria Manuel Leitão Marques vai ser a nova ministra da Presidência e da Modernização Administrativa. A antiga coordenadora do programa Simplex vai manter essa "pasta", ficando com responsabilidades na área da reforma da máquina do Estado.

Eduardo Cabrita assume funções como Ministro Adjunto do Primeiro-ministro, mas não terá apenas a coordenação política sob a sua alçada, ficando também com o pelouro da Igualdade. Aliás, António Costa prepara-se para reeditar um "núcleo duro" de coordenação política muito à semelhança dos governos de António Guterres, com Augusto Santos Silva, Vieira da Silva, Carlos César (líder parlamentar), e Pedro Nuno Santos (secretário de estado dos Assuntos Parlamentares).

Mário Centeno, nas finanças, não é grande surpresa, sendo que é certo que terá como Secretário de Estado das Finanças Ricardo Mourinho Félix, que já trabalhava com o novo ministro no Banco de Portugal. A secretaria de estado dos Assuntos Fiscais fica entregue a um homem de confiança de Costa - Rocha Andrade, vice-presidente do Grupo Parlamentar e membro do Secretariado Nacional do PS.

Vieira da Silva, que chegou a ser equacionado para as finanças, vai regressar a uma casa que conhece bem, o ministério da Segurança Social e do Trabalho. Manuel Caldeira Cabral, na Economia é outro nome que não causa surpresas, é uma escolha natural de António Costa.

Na Educação, também sem surpresas, surge Tiago Brandão Rodrigues, investigador em bioquímica e cabeça de lista do PS por Viana do Castelo. Na Ciência, a escolha foi para Manuel Heitor, Catedrático no Instituto Superior Técnico, e antigo secretário de estado de Mariano Gago. A Saúde fica entregue a Adalberto Campos Fernandes, gestor hospitalar e especialista em políticas e sistemas de saúde, e coordenador desta área no PS.

Outros regressos à governação, de nomes socialistas, acontecem na Cultura, com João Soares; no Mar, com Ana Paula Vitorino; e na Agricultura, com Capoulas Santos. João Pedro Matos Fernandes, da Faculdade de Engenharia da Universidade do Porto, é o novo ministro do Ambiente.

Mariana Vieira da Silva, vai continuar a trabalhar na esfera mais próxima de António Costa. Depois de coordenar a redacção do programa eleitoral e do programa do governo, fica em São Bento, como secretária de estado adjunta do PM, com responsabilidades na área da comunicação.

Pedro Nuno Santos, vai continuar a negociar. Um dos principais elementos da equipa de negociadores socialistas, na maratona de encontros com Bloco e PCP a seguir às eleições, vai assumir a secretaria de estado dos Assuntos Parlamentares, em coordenação directa com o líder parlamentar - Carlos César -, e João Galamba. O deputado e secretário nacional para a comunicação, vai assumir funções como porta-voz do PS.

TSF | 24-11-2015


Comentários (3)


Exibir/Esconder comentários
...
É um governo muito "familiar"!!

Há ministros casados entre si (Eduardo Cabrita e Ana Paula Vitorino), ministros com filhos como secretários de estado (Vieira da Silva, ministro da Segurança Social, e filha, Mariana Vieira da silva, secretária de Estado adjunta do primeiro-ministro). Ver http://www.dn.pt/portugal/inte...0261.html.

Também temos uma ministra cujo marido é um dos principais advogados que beneficia de consultorias e afins do Estado (http://portadaloja.blogspot.pt...ogado.html), com amizades dos aventais pelo meio e até temos o advogado de José Sócrates elevado a secretário de estado da presidência do Conselho de Ministros (http://www.cmjornal.xl.pt/naci...verno.html).

Tudo em família (boas famílias, claro), para nos explorarem.
Está frio , 25 Novembro 2015 - 06:54:13 hr.
INveja ... DO VERBO VER ... QUEM está IN não está OUT
La révolte est un réflexe de l'homme vivant.
— René Magritte
Capéu de coco , 25 Novembro 2015 - 14:47:50 hr.
IN DUBIO ... PRO INTER PRE OU PÓS TACIONES
Criticar um sistema quando se conhece a possibilidade de outros sistemas melhores é, de facto, uma perda de tempo.
Glindix , 26 Novembro 2015 - 09:02:21 hr.

Escreva o seu comentário

reduzir | aumentar

busy

Últimos conteúdos

Com o termo do ano de 2015, cessaram as publicações de conteúdos nesta Revista Digital de 2015.Para aceder aos conteúdos...

Relatório de gestão da comarca de Lisboa revela falta de dinheiro para impressoras, papel higiénico, envelopes e lâmpada...

Mudança ignorou dúvidas de constitucionalidade levantadas pelos dois conselhos superiores dos tribunais, pela Associação...

Portugal assinala 30 anos de integração europeia a 1 de Janeiro, e três décadas depois de ter aderido à então Comunidade...

Últimos comentários

Atualidade Sistema Político Será este o novo Governo PS

© InVerbis | Revista Digital | 2015.

Arquivos

• Arquivos 2012 | 2013 |2014 |
Arquivo 2007-2011
Blog Verbo Jurídico
(findo)

Sítios do Portal Verbo Jurídico