In Verbis


icon-doc
REVISTA DE 2015

Revisão dos suplementos adiada para a próxima legislatura

  • PDF

A revisão dos suplementos salariais pagos aos funcionários públicos não vai avançar nesta legislatura e ficará nas mãos do próximo Governo. O anúncio foi feito pelo ministro da Presidência e dos Assuntos Parlamentares, Luís Marques Guedes, no final do Conselho de Ministros desta quinta-feira, alegando que não seria "adequado" estar a discutir o processo com os sindicatos em plena campanha eleitoral.

"O processo tem sido objectivo de um trabalho conjunto de vários ministérios e está praticamente concluído, mas de facto atrasou-se um pouco. Atendendo ao calendário, uma vez que estamos a caminhar para o final de Julho, não nos parece adequado estar remeter para Setembro, já em período de campanha eleitoral, a negociação com os sindicatos", justificou.

"Ficará para ser negociado depois das eleições", concluiu o ministro, acrescentando que o objectivo é que a nova tabela entre em vigor a partir de 1 de Janeiro de 2016.

Em causa está um decreto-lei que revê os suplementos e cria uma tabela única onde serão integradas todas estas componentes remuneratórias. Num documento de trabalho com data de 17 de Junho, a proposta do Governo é que a tabela tenha 30 níveis, cujo valor oscila entre os 30 e os 1120 euros.

A intenção é que os actuais funcionários mantenham os valores actuais e que a tabela se aplique apenas aos funcionários que entrarem após a sua entrada em vigor.

No início de Junho, o secretário de Estado da Administração Pública, José Leite Martins, reconhecia que o assunto "é difícil" e não apontava qualquer data para a conclusão do processo.

Desde o início de Fevereiro está em vigor um decreto-lei que estabelece as regras para a criação de suplementos na função pública e que estabelecia um prazo (até ao início de Maio) para que o Governo aprovasse um decreto-lei com as regras de colocação na tabela única de suplementos dos novos funcionários e uma portaria com a tabela de suplementos.

O mesmo decreto-lei também obrigava os serviços a divulgar e justificar os suplementos que pagam. Em meados de Março, a Direcção-Geral da Administração e do Emprego Público divulgou no seu site uma listagem com as respostas dadas pelos serviços, informação que servirá de base à decisão de manter, extinguir ou reduzir esses complementos salariais

Já em 2013, o Governo tinha divulgado um estudo onde apontava para a existência de 280 suplementos diferentes na administração central, que tinham um custo anual de 700 milhões de euros.

Raquel Martins | Público | 16-07-2015

Comentários (1)


Exibir/Esconder comentários
...
O objectivo é, mais uma vez, que os funcionários que trabalham a sério (aqueles que não andam à volta do que seja politico ou politiqueiro) têm que ficar de tanga.
Ai Ai , 23 Julho 2015 - 21:51:31 hr.

Escreva o seu comentário

reduzir | aumentar

busy

Últimos conteúdos

Com o termo do ano de 2015, cessaram as publicações de conteúdos nesta Revista Digital de 2015.Para aceder aos conteúdos...

Relatório de gestão da comarca de Lisboa revela falta de dinheiro para impressoras, papel higiénico, envelopes e lâmpada...

Mudança ignorou dúvidas de constitucionalidade levantadas pelos dois conselhos superiores dos tribunais, pela Associação...

Portugal assinala 30 anos de integração europeia a 1 de Janeiro, e três décadas depois de ter aderido à então Comunidade...

Últimos comentários

Atualidade Sistema Político Revisão dos suplementos adiada para a próxima legislatura

© InVerbis | Revista Digital | 2015.

Arquivos

• Arquivos 2012 | 2013 |2014 |
Arquivo 2007-2011
Blog Verbo Jurídico
(findo)

Sítios do Portal Verbo Jurídico