In Verbis


icon-doc
REVISTA DE 2015

Governo autoriza presidente da RTP a ganhar mais que PM

  • PDF

Gonçalo Reis fica com salário de dez mil euros, ao abrigo de uma excepção legal criada em 2012. Gestor diz que no sector privado ganhava quase o dobro.

O Governo autorizou a nova administração da RTP a ganhar mais do que o primeiro-ministro, ao contrário do que acontece com a grande maioria dos gestores públicos. Num despacho publicado nesta sexta-feira em Diário da República, fica estabelecido que o presidente da estação pública, Gonçalo Reis, terá um salário mensal de dez mil euros, mais de três mil euros acima do vencimento auferido por Pedro Passos Coelho.

O mesmo é estabelecido para o novo vogal da administração, Nuno Artur Silva, que tal como Gonçalo Reis assumiu o cargo no início de Fevereiro. No caso do fundador das Produções Fictícias, o salário ficou fixado em 7390 euros por mês. Em ambas as situações, a decisão tem efeitos retroactivos à data da nomeação.

"Fui convidado para o cargo, não me candidatei. E nessa altura foi-me comunicado, através do conselho geral independente, que o accionista tinha colocado como tecto máximo o valor de 10 mil euros", descreveu ao PÚBLICO Gonçalo Reis. O gestor vinca que esse valor está cerca de 50% abaixo da média dos seus rendimentos dos últimos três anos, o indicador usado para a imposição de limite de salários dos gestores públicos de um restrito conjunto de empresas do Estado.

"Os meus rendimentos anteriores estão na minha declaração ao Tribunal Constitucional. A média é de cerca de 18 mil euros", especificou Gonçalo Reis. "Do ponto de vista puramente económico, estou [na RTP] em condições piores do que tinha no sector privado antes assumir funções", acrescentou.

A excepção concedida aos novos administradores da RTP, num despacho assinado pela secretária de Estado do Tesouro, é feita ao abrigo de uma norma criada em 2012 pelo actual Governo, aquando da revisão do Estatuto do Gestor Público. No entanto, o anterior presidente da estação pública de televisão, Alberto da Ponte, tinha prescindido desta possibilidade.

A maioria dos gestores públicos ficou com a sua remuneração limitada ao salário do primeiro-ministro (cerca de 6800 euros mensais) com a revisão da lei em 2012, mas houve quatro empresas que tiveram direito a esta excepção: além da RTP, também a Empordef, a CGD e o IGCP (a agência que gere a dívida pública).

O Governo justificou a decisão com o facto de operarem em regime de concorrência de mercado, permitindo que os seus administradores recebam a média de vencimentos dos três anos anteriores à nomeação, mediante autorização das Finanças.

É essa autorização que é dada no despacho publicado nesta sexta-feira, onde se refere que Gonçalo Reis e Nuno Artur Silva "juntaram a documentação necessária" para comprovar que teriam direito a salários deste nível. A secretária de Estado explica que a decisão se fundamentou no facto de a empresa ter "por objectivo actividades submetidas à concorrência no mercado" e de não desenvolver "o essencial da sua actividade em benefício de entidades públicas".

Além das quatro empresas excepcionadas, houve outras cinco que tiveram direito a um tratamento ainda mais preferencial, por se encontrarem em processo de privatização ou de extinção. Neste lote figuravam a TAP, os CTT, a Empresa de Meios Aéreos e a Parque Expo.

Nestes casos, os administradores puderam manter as remunerações que já auferiam. Mas, três anos depois, ainda há situações que eram descritas como temporárias, como a da TAP, e que continuam por resolver.

Raquel Almeida Correia e Maria Lopes | Público | 17-04-2015

Comentários (4)


Exibir/Esconder comentários
...
Fartar vilanagem, Que vergonha de país, onde se admitem estas iniquidades. Mas pelos vistos o povo gosta: come e cala...
Indignado , 19 Abril 2015 - 09:39:09 hr.
...
Eu pessoalmente acho piada aos que vão desempenhar cargos públicos e dizem que vão ganhar menos do que no privado, se vão ganhar menos porque vão, amor à camisola, se é assim, fiquem onde estão!
XPTO , 19 Abril 2015 - 11:52:22 hr.
...
o título, a esta hora, está errado, constando TRP, e não RTP.

Nota do Administrador:
Corrigido.Grato pelo alerta.
s , 19 Abril 2015 - 17:39:04 hr.
...
A venderem a Pária aos pedaços e armados em patriotas. Até pode perder no vencimento, mas leva mais do que isso dentro do tacho.
Maria do Ó , 20 Abril 2015 - 09:04:38 hr.

Escreva o seu comentário

reduzir | aumentar

busy

Últimos conteúdos

Com o termo do ano de 2015, cessaram as publicações de conteúdos nesta Revista Digital de 2015.Para aceder aos conteúdos...

Relatório de gestão da comarca de Lisboa revela falta de dinheiro para impressoras, papel higiénico, envelopes e lâmpada...

Mudança ignorou dúvidas de constitucionalidade levantadas pelos dois conselhos superiores dos tribunais, pela Associação...

Portugal assinala 30 anos de integração europeia a 1 de Janeiro, e três décadas depois de ter aderido à então Comunidade...

Últimos comentários

Atualidade Sistema Político Governo autoriza presidente da RTP a ganhar mais que PM

© InVerbis | Revista Digital | 2015.

Arquivos

• Arquivos 2012 | 2013 |2014 |
Arquivo 2007-2011
Blog Verbo Jurídico
(findo)

Sítios do Portal Verbo Jurídico