In Verbis


icon-doc
REVISTA DE 2015

Carlos Costa desvaloriza poderes do Parlamento

  • PDF

Governador considera que as comissões parlamentares têm um "papel restrito" na fiscalização do Banco de Portugal e que as suas audições podem nem ter "nexo".

Este é apenas o último episódio numa relação tensa que se mantém desde a crise do BES, há um ano. Carlos Costa recusa-se a fornecer aos deputados o relatório da auditoria interna que avaliou a actuação do regulador no processo BES. Os resultados desse "grupo de trabalho interno para analisar os modelos e as práticas de governo, de controlo e de auditoria das instituições financeiras em Portugal" já estão nas mãos de Costa. Mas só são públicas as 36 recomendações finais, e não os eventuais reparos feitos à actuação do supervisor.

O PS, pela voz do deputado Pedro Nuno Santos, solicitou – na última audição de Carlos Costa, na Comissão de Orçamento, Finanças e Administração Pública, em 12 de Junho – que fossem enviados ao Parlamento os restantes pontos do relatório. Carlos Costa negou.

Na altura, escudou-se no dever de "sigilo", por haver matérias sujeitas a reserva no documento. O deputado contrapôs que não desejaria conhecer as matérias envoltas em sigilo bancário, apenas as apreciações do grupo de trabalho sobre a actuação do BdP.

Carlos Costa fez então chegar à Comissão um parecer sobre "o dever de segredo do Banco de Portugal perante a Assembleia da República". E é esse o novo ponto de clivagem entre os deputados e o governador.

Nesse parecer, o BdP afronta directamente a comissão. Diz que esta desempenha "um papel que não pode ser confundido com o exercício, ainda que delegado, dos poderes constitucionais do Parlamento". Considera que a comissão exerce "uma função auxiliar relativamente ao desempenho da competência de fiscalização política da Assembleia da República". Atribui-lhe um "papel restrito" – resumindo a margem de manobra dos deputados a "informar-se e recolher elementos destinados ao exercício das competências políticas e legislativas".

Afirmando que o BdP não responde "perante a Assembleia" por pertencer a um lote de entidades que não estão "sujeitas a uma fiscalização política própria" , Carlos Costa entende que, neste caso, "as audições em comissão perdem mesmo o seu nexo", "ficando limitadas a uma função informativa".

Esta posição motivou uma carta do Presidente da comissão, Eduardo Cabrita, à Presidente do Parlamento, Assunção Esteves, manifestando a sua "preocupação" pelas "considerações sobre as funções e competências das Comissões parlamentares". Cabrita sugere à presidente que peça um parecer da Comissão de Assuntos Constitucionais, Direitos, Liberdades e Garantias sobre as considerações expostas pelo BdP.

Mas a prova de que o papel da comissão não é assim tão "restrito" está na própria competência que a lei lhe atribui de fornecer ao Governo um relatório sobre a escolha do Governador. Apesar de tudo, a nomeação de Costa passa pelos deputados, que no caso aprovaram, com os votos a favor de PSD, CDS e PCP, a abstenção do PS, e a ausência do BE, o relatório que servirá de base à nomeação por mais um mandato de cinco anos de Carlos Costa.

Quanto à auditoria interna, o PS promete agora recorrer à Comissão de Acesso aos Documentos Administrativos para forçar o BdP a entregar o relatório – ainda que expurgado de todos os seus "segredos".

Paulo Pena | Público | 27-06-2015

Comentários (1)


Exibir/Esconder comentários
...
Este país é mesmo um país de tó tós, em que aqueles que têm poder, usam, abusam e abusam desse poder. O Senhor Governador do Banco de Portugal que esteja calado, que tem largas culpas nos lesados do BES.
Samuel Fabiano , 30 Junho 2015 - 09:46:59 hr. | url

Escreva o seu comentário

reduzir | aumentar

busy

Últimos conteúdos

Com o termo do ano de 2015, cessaram as publicações de conteúdos nesta Revista Digital de 2015.Para aceder aos conteúdos...

Relatório de gestão da comarca de Lisboa revela falta de dinheiro para impressoras, papel higiénico, envelopes e lâmpada...

Mudança ignorou dúvidas de constitucionalidade levantadas pelos dois conselhos superiores dos tribunais, pela Associação...

Portugal assinala 30 anos de integração europeia a 1 de Janeiro, e três décadas depois de ter aderido à então Comunidade...

Últimos comentários

Atualidade Sistema Político Carlos Costa desvaloriza poderes do Parlamento

© InVerbis | Revista Digital | 2015.

Arquivos

• Arquivos 2012 | 2013 |2014 |
Arquivo 2007-2011
Blog Verbo Jurídico
(findo)

Sítios do Portal Verbo Jurídico