In Verbis


icon-doc
REVISTA DE 2015

Advogados queixam-se de “atentado à subsistência”

  • PDF

Um grupo de advogados portugueses enviou uma carta ao Provedor de Justiça em que pede a fiscalização da constitucionalidade do novo Regulamento da Caixa de Previdência, em vigor desde 1 de julho.

A discussão sobre o novo Regulamento da Caixa de Previdência dos Advogados e Solicitadores (CPAS) está longe de ter terminado. Agora, foi a vez de um grupo de advogados pedir a fiscalização das novas normas de contribuição, em vigor desde dia 1 de julho, por considerarem que estas representam uma violação "grosseira" de vários princípios constitucionais.

Em carta dirigida ao Provedor de Justiça, José Francisco de Faria Costa, o grupo de 27 advogados alega que a alteração do Regulamento do CPAS "importa graves prejuízos para a Advocacia/Solicitadoria" e que esta "não teve em conta o atual momento económico/financeiro do país, nem das respetivas classes".

Por estes motivos, os advogados acreditam ser conveniente a "emissão de um parecer relativamente à eventual inconstitucionalidade de algumas normas" por parte do Provedor e, caso este assim o entenda, "que faça uso da faculdade que tem de pedir a fiscalização abstrata sucessiva das normas do novo Regulamento", explicou ao Observador Lara Roque Figueiredo, uma das signatárias e mentora da iniciativa.

Fizemos aquilo que entendemos ser possível fazer no atual cenário, tendo em conta a forma como todo este processo foi conduzido", acrescentou a advogada.

Entre os principais problemas apontados encontram-se a suspensão provisória de contribuições durante três anos e a alteração dos escalões de desconto de dez para 18, sendo que os três primeiros são aplicáveis aos advogados e solicitadores estagiários, a partir da segunda fase de estágio. "Ora, esta alteração terá de ser inconstitucional. Como bem sabemos, o estágio, regra geral, não é remunerado, portanto estamos a pedir a um cidadão que não aufere qualquer rendimento que pague, no mínimo, 23,99 euros por mês de contribuição", é referido no carta enviada a José Francisco de Faria Costa.

Para além destas questões, são ainda referidos como principais problemas o novo cálculo das pensões e a alteração gradual da taxa de desconto, atualmente nos 17%. "A presente alteração entende ainda que a taxa atual de desconto é baixa e que deve subir para 19%, 21%, 23% e 24% entre 2017 e 2020. Isto é, no mínimo, em 2020 um advogado terá de descontar 242 euros", o equivalente ao quinto escalão.

Esta alteração, tendo em conta a realidade do país e do mundo, em termos económico-financeiros, é um atentado à subsistência dos advogados/solicitadores portugueses, até porque este descontos presumem os rendimentos auferidos, não tendo qualquer noção da realidade em que estes vivem e trabalham", salientam os advogados.

Na carta enviada a 22 de julho a José Francisco de Faria Costa, os advogados consideram, por isso, ser inaceitável que os "advogados e solicitadores portugueses tenham um tratamento diverso dos restantes cidadãos" e que "esta diferença" tem de ser "inconstitucional, uma vez que num Estado de direito democrático não se pode tratar de forma diferente aquilo que é igual".

Por estes motivos, foi solicitado ao Provedor que "avalie as questões levantadas e todas as outras que possam suscitar problemas de constitucionalidade do diploma aqui em causa e, se assim o entender, que remeta o mesmo ao Tribunal Constitucional, fazendo uso do seu poder de fiscalização".

A inconstitucionalidade do novo Regulamento da CPAS já tinha sido defendida pelos advogados estagiários que, em carta dirigida à Bastonária da Ordem dos Advogados, Elina Fraga, alegaram existir uma clara "violação do princípio de igualdade, de proibição do excesso e da proteção de confiança". "É evidente que estamos perante uma aberrante tentativa — uma de várias — de limitar o acesso à profissão", referiram no mesmo documento, a que o Observador teve acesso.

Observador | 28-07-2015

Comentários (2)


Exibir/Esconder comentários
Dividir para reinar
Atacam a advocacia livre e os juízes não querem saber.
Atacam a magistratura digna e os advogados não querem saber.

Assim não vamos lá.
Lm , 11 Agosto 2015 - 22:11:20 hr.
Já sei como vai acabar
Infelizmente já sei como vai acabar isto tudo. Quando o sistema por vós criado já não for benéfico para a classe vai o Zé povinho suportar a caixa de providência dos Senhores advogados. Não esquecer que no regime geral, os descontos têm de suportar anualmente 2.8 mil milhões a quem nunca descontou um sentido e recebe, mais 400 milhões para o RSI...
Rocas , 19 Agosto 2015 - 14:15:48 hr.

Escreva o seu comentário

reduzir | aumentar

busy

Últimos conteúdos

Com o termo do ano de 2015, cessaram as publicações de conteúdos nesta Revista Digital de 2015.Para aceder aos conteúdos...

Relatório de gestão da comarca de Lisboa revela falta de dinheiro para impressoras, papel higiénico, envelopes e lâmpada...

Mudança ignorou dúvidas de constitucionalidade levantadas pelos dois conselhos superiores dos tribunais, pela Associação...

Portugal assinala 30 anos de integração europeia a 1 de Janeiro, e três décadas depois de ter aderido à então Comunidade...

Últimos comentários

Forense Profissionais Liberais: Advogados Advogados queixam-se de “atentado à subsistência”

© InVerbis | Revista Digital | 2015.

Arquivos

• Arquivos 2012 | 2013 |2014 |
Arquivo 2007-2011
Blog Verbo Jurídico
(findo)

Sítios do Portal Verbo Jurídico