In Verbis


icon-doc
REVISTA DE 2014

Ex-procuradoras do MP condenadas

  • PDF

As duas ex-procuradoras do Departamento de Investigação e Acção Penal de Lisboa, S1... e S2....., foram hoje condenadas pela 4.ª Vara Criminal de Lisboa a pensas suspensas pelos crimes de falsificação de documento, acesso ilegítimo a informação privilegiada, abuso de poder, violação do sigilo profissional e ainda favorecimento pessoal. À primeira foi aplicada uma pena de prisão de três anos e seis meses e à segunda uma pena de dois anos e nove meses de prisão, ambas suspensas na sua execução.

No essencial, o tribunal deu como provados todos os factos constantes da acusação do Ministério Público (MP), nomeadamente que ambas as magistradas, entretanto expulsas do MP, fizeram inúmeras pesquisas na base de dados e no sistema de gestão de inquéritos do MP (que regista os processos-crime) sobre informações pessoais e sigilosas de mais de 400 pessoas (entre elas juízes, procuradores e ex-directores da Polícia Judiciária) que depois forneceram a J...., outro arguido neste processo – um burlão cadastrado que, fazendo-se passar por 'Vasco Chambel' (um inspector da Interpol), seduziu as magistradas e com elas manteve, em momentos diferentes, um relacionamento amoroso.

Através dos dados pessoais de dois cidadãos facultados pelas ex-procuradoras, entre 2005 e até 2010, o arguido, que estava fugido da cadeia de Pinheiro da Cruz, conseguiu forjar e usar bilhetes de identidade e cartas de condução com essas identidades (mas onde colocava a sua fotografia), que lhe permitiram circular livremente em Portugal e em Espanha.

"As arguidas tinham obrigação de saber que não podiam fazer estas pesquisas. Qualquer um de nós se sentiria muito inseguro se qualquer procurador do MP pudesse pesquisar, de forma particular, dados da nossa vida", sublinhou a juíza Rosa Brandão, que presidiu ao colectivo.

"Estamos perante paixões e fragilidades emocionais que levaram as arguidas a aderir a esta relação, temos isso presente, e admitimos que, num primeiro momento, pudessem ter tido dificuldades de discernimento, mas tudo tem de ter um fim", disse a magistrada, realçando que, a partir de determinada altura (Junho de 2009), as arguidas tomaram consciência de quem era na verdade Vasco Chambel. Nesse mês, S2..... pediu à Polícia a ficha biográfica de J..... O documento continha a fotografia do homem com quem andava envolvida desde 2008 e, nesse momento, percebeu que se tratava de um foragido. Mesmo assim, a cumplicidade manteve-se por mais alguns meses e tanto S2.... como S1...., com quem o arguido se relacionou meses antes, continuam a fazer pesquisas para o beneficiaram e "protegeram". Sónia Moreira chegou a viajar para o Reino Unido e para Espanha ao encontro do falso coordenador da Interpol para lhe entregar alguns documentos forjados.

"Não temos dúvidas de que as arguidas foram envolvidas por J....., que tem uma personalidade forte e manipuladora e que se aproveita da fragilidade emocional das mulheres", mas "ao fim de algum tempo a situação não podia ter continuado", frisou a juíza, criticando o facto de ambas terem violado deveres funcionais enquanto procuradoras, nomeadamente quando foram ao Instituto da Mobilidade e Transportes pedir explicações sobre os atrasos na emissão das cartas. "É algo totalmente inexplicável".

Ao contrário de J...., que foi condenado a cinco anos de prisão efectiva por vários crimes de falsificação de documento, as ex-procuradoras viram o tribunal suspender-lhes a pena, uma vez que já tinham sido alvo de uma "sanção disciplinar muito pesada" (expulsão do MP).

Sónia Graça | Sol | 30-06-2014

Comentários (12)


Exibir/Esconder comentários
Tudo bons corações
smilies/grin.gifsmilies/grin.gifsmilies/grin.gif
Se fosse um GNR a pena era agravada.Mas enquanto não limparem o Estado de todos os cancros que lá andam continuarão na mais vil miséria e tristeza, mas com bons corações e atendendo a que não pode haver discriminação de género ui, ui
Lusitânea , 01 Julho 2014 - 10:52:01 hr.
...
"que se aproveita da fragilidade emocional das mulheres" Ah!, a fragilidade emocional das mulheres...
pseudonome , 01 Julho 2014 - 11:36:18 hr.
...
"e que se aproveita da fragilidade emocional das mulheres"

Será que a partir de certa idade as Meretissimas terão a necessária estabilidade emocional para julgar?
Valmoster , 01 Julho 2014 - 12:30:13 hr.
iii
Há corrupção nas magistraturas e todos fingem que não sabem;
nuno , 01 Julho 2014 - 13:44:30 hr. | url
...
Como é isto possível? Pena suspensa para as meninas? Bem, agora que até o charuto está em condicional, percebo estas penas!
paga e não bufes , 01 Julho 2014 - 14:56:06 hr.
...
"...e que se aproveita da fragilidade emocional das mulheres..." !!!

Mas o que é isto?! Esse acórdão é iníquo na pena, se a fundamenta dessa forma.

Não sou mulher mas se o fosse sentia-me insultada e discriminada. Preconceitos são preconceitos, mesmo quando são supostamente para “dar uma ajudinha”.

Se fosse o arguido sentia-me injustiçado. Então, porque sou homem tenho de ser punido mais severamente!
Contribuinte espoliado , 02 Julho 2014 - 09:44:42 hr.
...
Coitadas. Duas virgens violadas por um bandido!
silva , 02 Julho 2014 - 14:21:06 hr.
Da canção do bandido e da sua utilidade propedêutica
As senhoras ex-magistradas foram condenadas a uma pena suspena. Devemos presumir a sua inocência, visto a decisão condenatória não ter ainda transitado em julgado.

A ser verdade o noticiado (infelizmente tenho boas razões para duvidar sistematicamente do que é publicado nos jornais, tantas e tão graves têm sido as imprecisões, quando não colossais desvios à verdade, por mim lidos), é de ficar verdadeiramente espantando, atordoado, mesmo, com o que se lê:

«Ao contrário de J...., que foi condenado a cinco anos de prisão efectiva por vários crimes de falsificação de documento, as ex-procuradoras viram o tribunal suspender-lhes a pena, uma vez que já tinham sido alvo de uma "sanção disciplinar muito pesada" (expulsão do MP).»

Então quer dizer: se a pessoa que comete um crime é magistrado judicial ou do MP, e se vê expulso por causa da violação (grave, pois de outra maneira não será expulso, e nesta justiça não haverá problema de assim ser, isto é: só a verificação de condutas graves levará à expulsão da magistratura) de certos deveres, já não verá ser-lhe aplicada pena de prisão efectiva, porque já passou um mau bocado com a expulsão.

É uma nova descoberta no campo da subsidariedade de certos ramos do Direito, neste particular, do Direito Penal?
E permitam-me a comparação, ainda que distante: quando uma pessoa atropelar outra, será que não vai para a prisão porque já teve o desgosto de ficar com o carro amolgado?

Com todo o respeito pelo tribunal que decidiu a suspensão da pena, não posso senão discordar fortemente do que li.

-------------------------------

Indo ao verdadeiro cherne da questão:

O acusado foi muito mal condenado. Deveria ter sido posto no CEJ, a integrar as BIPAP: Brigadas de Inspecção Psicológica & Acção Propedêutica. Já viram a utilidade que um homem destes poderia ter para o país se fosse posto à entrada do CEJ a seduzir magistradas cantando-lhes a canção do bandido? As que caíssem na esparrela não poderiam concluir a formação. Libertem imediatamente o homem e:

Se ele ainda não tiver uma guitarra, comprem-lha.
Se não a sabe tocar, ensinem-no.
A canção do bandido como teste de admissão ao CEJ impõe-se!
smilies/grin.gif
Gabriel Órfão Gonçalves , 02 Julho 2014 - 20:27:21 hr.
...
Cheira-me que há aqui quem concorreu ao CEJ e chumbou no exame psicológico...
Venenoso , 03 Julho 2014 - 21:29:52 hr.
Vamos lá arejar o aposento
Venenosa escreveu:

«Cheira-me que há aqui quem concorreu ao CEJ e chumbou no exame psicológico...»

cheira-lhe a isso? Pois olhe que lhe cheira mal. É capaz de ser do seu próprio veneno. Faça o favor de renovar o ar, senão ainda fica mal de saúde e depois lá teremos de, com o cacau do SNS, gastar cera em ruim defunta.
Gabriel Órfão Gonçalves , 03 Julho 2014 - 23:57:42 hr.
...
GOG, enfiou a carapuça... Mas como descobriu que eu era "uma"? Tenho de reconhecer, por isso, que você, GOG, tem poderes paranormais... Dai que ache que deva integrar as BIPAP: Brigadas dos Indivíduos Psicologicamente Adaptados à Parapsicologia...
Venenoso(o/a) , 04 Julho 2014 - 06:59:46 hr.
...
As magistradas que foram exoneradas são uma pequena gota do oceano de pessoas que se deixam ludibriar por burlões, ninguém pense que só as magistradas foram alvo de burla, pois há burlados em todas as classes sociais, porem no caso concreto as duas magistradas com a formação que tiveram deviam abster-se de se relacionar de animo leve com essa personagem eximia em crimes contra o património em geral, com a agravante de supostamente lhe terem confidenciado matérias que mesmo que ele fosse inspector da interpol nunca jamais lhe deviam ter fornecido, e nisso se verifica o péssimo profissionalismo das duas arguidas
Magistrados , 10 Julho 2014 - 23:38:02 hr.

Escreva o seu comentário

reduzir | aumentar

busy

Últimos conteúdos

Com o termo do ano de 2014, cessaram as publicações de conteúdos nesta Revista Digital de 2014.Para aceder aos conteúdos...


O número de funcionários judiciais diminuiu 9,9 por cento em seis anos, enquanto os magistrados do Ministério Público au...

A partir de 1 de janeiro, os médicos vão recuperar os 20% tirados ao pagamento do trabalho extraordinário. ...

Últimos comentários

Forense Magistrados: Ministério Público Ex-procuradoras do MP condenadas

© InVerbis | Revista Digital | 2014.

Sítios do Portal Verbo Jurídico