In Verbis


icon-doc
REVISTA DE 2014

Portugueses confiam no Constitucional

  • PDF

A maioria dos portugueses apenas confia no Tribunal Constitucional quando pensa nas instituições do Estado. No fim desta lista, está o Governo, de quem os cidadãos estão cada vez mais desconfiados.

De acordo com a sondagem CM/Aximage, 57,3% dos inquiridos revelam que, das instituições do Estado, o Tribunal Constitucional é o maior merecedor do voto de confiança. Nem somando os que elegem o Presidente da República (14,3%), a Assembleia da República (11%), e o Governo, com 5,4%, se chega perto do nível de confiança que os portugueses dão aos juizes do Palácio Ratton. A preferência pelo Tribunal Constitucional pode ser justificada pelo facto de os portugueses olharem para aquele órgão como um meio de controlo e bloqueio às medidas de austeridade do Governo. Exemplo disso é o chumbo à convergência de pensões, que levou o Executivo a apresentar novos cortes para cobrir o buraco de 388 milhões de euros.

Portugueses criticam Cavaco Silva

A decisão de Cavaco Silva de não enviar o Orçamento do Estado (OE) para fiscalização preventiva no Tribunal Constitucional não agradou aos portugueses.

A maioria dos inquiridos (51,6%)na sondagem CM/Aximage diz que o Presidente da República não agiu bem ao promulgar o documento, e uma esmagadora maioria (73,6%) considera que o OE deve ser alvo de fiscalização sucessiva. Já 37,8% dos entrevistados aprovam a ação do Chefe de Estado e 18% não pedem fiscalização sucessiva.

Cláudia Machado | Correio da Manhã | 20-01-2014

A maioria dos portugueses apenas confia no Tribunal Constitucional quando pensa nas instituições do Estado. No fim desta lista, está o Governo, de quem os cidadãos estão cada vez mais desconfiados.  
 
De acordo com a sondagem CM/Aximage, 57,3% dos inquiridos revelam que, das instituições do Estado, o Tribunal Constitucional é o maior merecedor do voto de confiança. Nem somando os que elegem o Presidente da República (14,3%), a Assembleia da República (11%), e o Governo, com 5,4%, se chega perto do nível de confiança que os portugueses dão aos juizes do Palácio Ratton. A preferência pelo Tribunal Constitucional pode ser justificada pelo facto de os portugueses olharem para aquele órgão como um meio de controlo e bloqueio às medidas de austeridade do Governo. Exemplo disso é o chumbo à convergência de pensões, que levou o Executivo a apresentar novos cortes para cobrir o buraco de 388 milhões de euros.  
 
Portugueses criticam Cavaco Silva  
 
A decisão de Cavaco Silva de não enviar o Orçamento do Estado (OE) para fiscalização preventiva no Tribunal Constitucional não agradou aos portugueses.  
 
A maioria dos inquiridos (51,6%)na sondagem CM/Aximage diz que o Presidente da República não agiu bem ao promulgar o documento, e uma esmagadora maioria (73,6%) considera que o OE deve ser alvo de fiscalização sucessiva. Já 37,8% dos entrevistados aprovam a ação do Chefe de Estado e 18% não pedem fiscalização sucessiva. 

Comentários (4)


Exibir/Esconder comentários
...
Sim sim. Exacto, confiar num tribunal político, eleito nao pelos cidadãos mas pela politiqueira. OTC é bom para reformas churudas sem justificar: a presidente da AR é um bom exemplo de quem vive muito bem com parte do que desconto em conjunto com mais umas centenas de contribuintes. É de confiar nesta gente do TC porque zelam pelos nossos interesses a pensar nos bolsos deles. Que fachada de democracia.
Cavenon , 20 Janeiro 2014 - 20:31:12 hr.
...
Eu confio no TC em sonhos.
Ai Ai , 20 Janeiro 2014 - 22:06:02 hr.
...
Eu não confio nem desconfio. Esta estrutura não serve nem garante o estado de direito por colocar o poder judicial submetido a outros poderes. Por outro lado enquanto a classe de juristas pensar e agir como se os direitos constitucionais fossem apenas princípios só conduzirá à tirania e opressão da classe média enquanto esta tiver alguma riqueza que possa ser roubada.
Picaroto , 21 Janeiro 2014 - 07:41:45 hr.
Apesar de tudo...
Apesar de tudo, comparando com os restantes ilustres....

Pelo menos, que se saiba, os juízes do TC quando cessam funções não vão integrar os quadros de instituições bancárias, seguradoras, construtoras e outras que tais...
, 22 Janeiro 2014 - 07:12:27 hr.

Escreva o seu comentário

reduzir | aumentar

busy

Últimos conteúdos

Com o termo do ano de 2014, cessaram as publicações de conteúdos nesta Revista Digital de 2014.Para aceder aos conteúdos...


O número de funcionários judiciais diminuiu 9,9 por cento em seis anos, enquanto os magistrados do Ministério Público au...

A partir de 1 de janeiro, os médicos vão recuperar os 20% tirados ao pagamento do trabalho extraordinário. ...

Últimos comentários

Atualidade Direito e Sociedade Portugueses confiam no Constitucional

© InVerbis | Revista Digital | 2014.

Sítios do Portal Verbo Jurídico