In Verbis


icon-doc
REVISTA DE 2013

Cozinheiros, militares e polícias vão tratar de processos judiciais

  • PDF

Concurso. No dia 1 abril, entraram para as secretarias judiciais 300 funcionários públicos sem qualquer formação de oficial de justiça num concurso aberto à administração pública. Sindicato defende que esta não é a "solução ideal". Funcionários públicos transferidos para os tribunais fazem em três meses formação que durava três anos.

No dia 1 de abril, entraram nas secretarias dos tribunais 300 funcionários para desempenhar funções de oficiais de justiça. Mas nenhum com a formação de três anos que até aqui era exigida a todos dos mais diversos ramos de atividade. Ao que o DN apurou, militares, ex-funcionários de câmaras municipais, polícias e até cozinheiros vão agora desempenhar tarefas indispensáveis ao funcionamento da Justiça, como seja marcar um julgamento, redigir inquéritos de arguidos ou despachar processos no final do prazo (ver coluna ao lado). Estes funcionários públicos estão agora a receber uma formação-relâmpago de três meses, que será ministrada pelos oficiais de justiça atualmente em funções. Esta foi a solução encontrada pela ministra da Justiça, Paula Teixeira da Cruz, perante a falta de funcionários judiciais nos tribunais.

"Admito que esta é uma situação muito complicada", dizia a titular da pasta, na Comissão de Assuntos Constitucionais, Liberdades e Garantias, no início de março. Nos últimos sete anos, saíram da carreira cerca de 1500 funcionários judiciais - 500 só no ano passado por reforma ou morte-sendo que, nos últimos cinco anos, apenas ingressaram na carreira cerca de 200.

Segundo explicou o presidente do Sindicato dos Funcionários Judiciais, Fernando Jorge, "esta não é de todo a solução desejável até porque estes funcionários não vão ter a formação específica necessária", disse o representante ao DN (ver 3 Perguntas A... ao lado). O sindicalista diz ainda que "esta formação é ad hoc e demasiado acelerada".

"Este é um concurso aberto para funcionários que queiram aceder à carreira, já que sabíamos que havia essa necessidade. Depois dos três meses de formação ainda podem alguns não entrar, isso será avaliado", explicou ao DN o Ministério da Justiça (MJ), através do gabinete de imprensa da ministra.

Segundo estatísticas mais recentes do MJ, em 2011 existiam 7435 funcionários judiciais, menos 300 do que no ano anterior e menos 400 do que em 2008.

"Isto está cada vez pior... Saem colegas porque são reformados, ou por morte, como aconteceu aqui, e vamos ficando sempre os mesmos e sem perspetiva de ver os quadros reforçados...", desabafa uma das funcionárias judiciais a trabalhar na secretaria do Tribunal de Loures.

Este é "um dos problemas fundamentais que temos nos nossos serviços: só temos 26 funcionários judiciais, sendo que só saem e não entra nenhum", aponta Dionísio Mendes, procurador da República e coordenador do Ministério Público da comarca de Loures. José Branco, da Procuradoria-Geral Distrital de Lisboa, assume que esta é "uma das maiores preocupações dos tribunais, até porque o trabalho destes profissionais é indispensável para a justiça". Também a procuradora-geral da República, Joana Marques Vidal, defendeu a mesma ideia no Parlamento há duas semanas.

Filipa Ambrósio de Sousa | Diário de Notícias | 22-04-2013

Comentários (19)


Exibir/Esconder comentários
...
Sabem do processamento? Sabem fazer atas?
Não.
Precisam de aprender.
Logo, ...encalham.
Rosa T. , 22 Abril 2013
...
Isto é uma vergonha! Eu andei a estudar durante 3 anos, a tirar um curso superior para desempenhar as funções de oficial de justiça e agora isto?
É rridículo. Cozinheiros? Só podem estar a brincar. Essa senhora devia era de ter vergonha na cara.
TGuedes , 22 Abril 2013
...
Cozinheiros? A ministra está uns anos atrasada.Já não se usa agulha e linha para "cozer" processos...
- , 22 Abril 2013 | url
...
Não sejamos apressados. Quem vem tem habilitações e, naturalmente, não sabe mas quer aprender a fazer. No último Tribunal (de Trabalho) em que estive na 1.ª Instância esteve lá uma Funcionária recrutada numa Escola e a aprendeu e bem. Admito é que num Tribunal com grande movimento a coisa possa ser mais complicada e que isso será agravado pela pouca motivação que vejo nos Oficiais de Justiça (como na Magistratura e em tudo o mais no estado, como é evidente) para ensinarem quem quer aprender. E isso também compreendo.
Sun Tzu , 22 Abril 2013
...
A perda de nossa independência, com a ocupação do país pela Troika/Merkel, conduziu-nos a esta situação, somos governados por quem está longe e não conhece a realidade. Deve ter acontecido algo parecido no tempo dos Filipes, mas como eu não estava cá não dei por isso.
A tudo isto não é alheio o desmando em que vivemos durante anos e que a justiça, ainda, não conseguiu responsabilizar, apesar o comentador dominical da RTP já ter voltado
Vendo a coisas pelo lado positivo, reconheço que um cozinheiro dá sempre jeito em qualquer organização ...
Zé-Zé , 22 Abril 2013 | url
...
OOOOPS! Três anos?
Fiz o estágio durante três meses, sob a supervisão do Escrivão de Direito, Sr. Trindade, o Chefe de Secretaria Dr.Frias Gouveia e do MMº Juiz Pereira Cardigos, no 3º Juizo Cível de Lisboa. Ou o formalidade aumentou muito, ou fiquei só com luzes (ainda hoje executo formalidades que aprendi nesse tempo) ou então parece-me um exagero 3 anos. Não será engano?
De resto, também me parece que tudo se resume a uma questão de disponibilidade para aprender e para ensinar. Uns por vezes vêem com a sensação que foram corridos de onde estavam, o que não se afigura um bom inicio, pois na certa vão evidenciar problemas psicológicos pelo sentimento de rejeição que consigo transportam; já outros nem sempre têm tempo, nem paciência para perder tempo a explicar algo que vai proporcionar no futuro que o aluno seja seu concorrente na progressão de carreira.
Tudo depende da forma como cada um encarar essa nova fase. E isso é uma carta fechada, que não depende das funções anteriores e muito menos dos graus academicos.
Respeitosamente
Orlando Teixeira , 22 Abril 2013 | url
José Pedro Faria (Jurista) - Caminho correto
Compreendo que haja muita gente irritada com este inenarrável Governo, um dos mais incompetentes da História de Portugal, mas não se deve meter tudo no mesmo cesto.

O título da notícia parece-me uma tentativa de achincalhar a medida, mas, com franqueza, nela não descubro o disparate que alguns observam. Pelo contrário, o caminho correto parece ser este mesmo. Não há trabalhadores públicos a mais, mas é verdade que a distribuição dos mesmos está longe de ser a melhor.. Quem vai para um novo serviço, pode pouco ou nada saber sobre o mesmo, mas se houver quem ensine bem e quem tenha vontade de aprender, pode-se alcançar o objetivo pretendido. É preciso dar tempo ao tempo.

Um ponto positivo para o Sr. comentador Sun Tzu.
José Pedro Faria (Jurista) , 22 Abril 2013
...
Não peecebo, tanta polemica
ponto um: para magistrados e advogados, os O.J. são superfluos, tal o desprezo que por eles nutrem.
logo a solução para a crise da justiça é: fiquem só eles , deixam é de ter bodes expiatorios.
ponto dois: Cerca de metade dos OJ em actividade entraram por cunha, literalmente, basta circular pelos tribunais e verificar aqueles que são tratados pelo apelido (os da cunha) e os outros.
Logo não se compreende este não problema com os tres meses de astagio - pelo menos estes estagiarios fizeram provas.
OJ , 22 Abril 2013
...
- É de lamentar que se publiquem notícias com este título, mas mais quem as faz, que parece ter como único objectivo denegrir a imagem dos visados, porque além de serem exageradas no seu conteúdo, demonstra um desconhecimento por parte do autor daquilo que fala, ou seja, um trabalhador não se forma em 3 meses mas também não se forma em 3 anos, adquire conhecimentos suficientes para exercer a sua profissão, são precisos mais anos, sendo que neste caso com tanta legislação a formação é contínua. Por isso continuo a não saber o porque e o objectivo de uma notícia com este cabeçalho/título.
Jorge Leonel , 23 Abril 2013 | url
...
Começa pelos oficiais de justiça, mas não ficará por aqui.
O Sr. Bastonário já deve estar a esfregar as mãos para ver engenheiros, arquitectos, veterinários, carpinteiros e até advogados, sentados no lugar nobre de quem tem a função de decidir,
Vamos esperar par ver....
Zé-Zé , 23 Abril 2013 | url
...
Zé-Zé,

já lá estão. veja lá quem entrou pela via profissional de acesso ao CEJ.
então, no que aos TAF respeita, é um ver se te avias.
ex-fp legalmente espoliado , 23 Abril 2013
Pois....
Percebo irem buscar a prata da casa...mas tanto licenciado por aí a estudar anos e anos e vao por alguem que ainda vai aprender num mini curso...é frustante...e deitar fora quem ja tem formação na area em prol de aproveitar o excedente....
ana , 23 Abril 2013
PREPARAÇÃO EXAUSTIVA E PREVIA
Salvo o devido respeito, não se me afigura que, em três meses, se aprenda coisa de jeito, em ambiente laboral.

Mais teria valido ter colocado previamente os Srs. Candidatos, durante pelo menos 6 meses, em horário exclusivo e intensivo, a praticar activamente todos os actos próprios dos Srs. Oficiais de Justiça, orientados por Formadores competentes.

Nomeadamente, instruindo-os no percutir rápido e eficiente nas teclas dos computadores...

Disse...
António , 24 Abril 2013 | url
...
Manuel Damásio, escreveu: um cidadão, consegue escrever um texto para ser convenientemente lido em qualquer jornal. Chegou a ministro. Na minha Universidade...disse: não reconheço aos alunos capacidades para escrever um texto para passar no crivo da CS.
...
A problemática disto tudo consiste, não no prolongamento da aprendizagem, mas sim na compreensão do que se vai executar. Ou o ter andado 3 anos no ensino superior que lhe vai dar a notariedade de uma aprendizagem universal? Olhe que eu conheço Universidades onde o curriculo é duvidoso.Pagam o diploma, simplesmente
Cidadão descontente , 24 Abril 2013
...
Já não há dignidade nas profissões em Tribunal, coitados dos cozinheiros, dos militares e dos policias, são mesmo inválidos só mesmo no desemprego!!!!!
Como é que entrou a maioria dos oficiais de justiça no activo?
Foram para a Universidade para entrar?
E se fosse um licenciado seria capaz de fazer melhor?
E será que esses coitados dos cozinheiros ....., não têm mais formação do que os oficiais de justiça que estão no activo?
E se perguntassem aos oficiais de justiça com quem preferem trabalhar, sabem qual é a resposta e porquê?
é só olhar para sociedade portuguesa e ver quem é que trabalha a sério, é claro que estamos a falar da regra!
Olhão , 24 Abril 2013
...
comno ja referi e parece que ninguem reparou

a maior parte dos oficiais de justiça no activo ingressou por cunha e sem qualquer exigência quanto a habilitações.
Aliás a unica exigência era a natural curvatura para as venias.
E por isso é que ha tantos que mal sabem escrever, quanto mais usar um computador, mas tb não é por aí. Porque em todas as profisoes forenses, ha grande aversão à tecnologia.
OJ , 25 Abril 2013
O que eu gostava mesmo de ver...
... era a maioria das "donzelas", ofendidas com a ajuda extra, irem tirar com aproveitamento um curso de cozinheiro em três meses!!! smilies/grin.gif
Quid Juris? , 26 Abril 2013
...
Como OJ que sou, não me importo nada de ter mais colegas, sejam eles quem forem... Se vierem com vontade de aprender e trabalhar, tudo se ensina... Mas não é fácil ser-se OJ, não pensem que toda a gente tem aptidão para o bom desempenho das funções (ou mesmo para ajudar a formar OJ), incluindo os que já cá andam há muito tempo...

Quanto ao bom uso dos meios tecnológicos supra referido, é normal que as gerações anteriores à minha não se consigam adaptar, com luta podem lá chegar, mas é muito mais fácil para quem nasceu quase com um computador na mão, do que para aqueles que quando nasceram nem televisão tinham... Há que compreender e ajudar!
Longa Manus , 14 Maio 2013
Formação
Vou fazer uma pergunta?? Há quantos existem os tribunais???? Há quantos anos existe o curso superior de oficial de Justiça?????? Grande parte dos of. Justiça que estão a desempenhar funções não têm curso superior. Quero referenciar que esta notícia não tem base nenhuma de verdade. Além do mais no aviso de abertura do concurso só exigem o 11. ano e grande parte dos candidatos têm habilitações acima do 12.º ano.
Ana Paula , 16 Julho 2013

Escreva o seu comentário

reduzir | aumentar

busy

Últimos conteúdos

A crise trouxe dúvidas novas sobre a situação do país e a actuação dos políticos. As televisões portuguesas responderam ...

Com o termo do ano de 2013, cessaram as publicações de conteúdos nesta Revista Digital de 2013.Para aceder aos conteúdos...


Isabel Moreira - Ouvindo e lendo as epifanias sobre o Tribunal Constitucional (TC) que descobriram ali um órgão de sober...

Últimos comentários

Tradução automática

Forense Agentes Públicos Oficiais de Justiça Cozinheiros, militares e polícias vão tratar de processos judiciais

© InVerbis | 2013 | ISSN 2182-3138.

Arquivos

Sítios do Portal Verbo Jurídico