In Verbis


icon-doc
REVISTA DE 2013

Revisor pára comboio para cobrar bilhete a cão

  • PDF

Militares da GNR acusados de agredir jovens que não compraram bilhete de comboio para a cadela que os acompanhava, anteontem, em Estarreja. Caso está a causar indignação em milhares, no facebook.

{youtube}BfbsMF5I0vI{/youtube}

A queixa de uma cliente da CP caiu no facebook, na Internet, como uma bomba. A mulher garante que, anteontem à tarde, na estação de comboios de Estarreja, assistiu a uma patrulha da GNR a agredir dois jovens, de 19 anos, após aqueles não terem comprado bilhete para a cadela, "meiga" e de porte pequeno, que os acompanhava no comboio urbano que faz a ligação entre Porto e Aveiro. A GNR confirma o episódio, mas garante que só usou a "força física" porque os militares foram "injuriados e agredidos".

Ao que tudo indica, os dois jovens, um de Ovar e outro de S. João da Madeira, entraram no comboio na estação de Ovar, às 18.47 horas. Um deles, com uma trela, transportava o seu animal de estimação. "O revisor implicou com o facto de a cadelinha não ter bilhete. O comboio parou a marcha na estação de Estarreja e o revisor chamou a Polícia para tratar da situação", denunciou Marlene Melo, na sua página do facebook. Segundo a testemunha, os passageiros "revoltaram-se", e ofereceram-se para pagar os 2 euros que correspondiam ao preço do bilhete para o animal.

"Chega a Polícia, identifica o rapaz, diz-lhe que deveria ter pago os 2 euros, todas as pessoas repetem que pagam e o que faz a Polícia? Adivinhem... agarra o rapaz à bruta. Ele até teve de largar a cadelinha porque, caso contrário, ela era maltratada ali", refere a alegada testemunha, acrescentando que os militares "bateram no rapaz sem qualquer problema, e bateram no amigo, como se de dois assassinos se tratasse".

"Todas as pessoas viram, chamaram nomes e gritaram", garante Marlene Melo.

Militar agredido

Contactada pelo JN, fonte oficial da GNR confirmou a ocorrência do episódio. No entanto, apresentou uma versão diferente daquela que ontem circulou, com milhares de partilhas, nas redes sociais. "Eles não queriam pagar o bilhete do animal. Por isso, o revisor pediu ajuda a um militar que estava no comboio, à civil. Mesmo assim, não acataram as ordens. Não queriam pagar nem sair, pelo que foi necessário pedir reforços", explica a GNR.

Foram pedidos reforços e uma patrulha do posto da Murtosa foi ao local. "Tiveram de usar a força física e, já no exterior, os jovens resistiram à detenção, injuriaram os militares e ainda agrediram um deles", refere a mesma fonte. Os jovens foram a tribunal, ontem de manhã. O caso baixou a inquérito e a investigação prossegue. A CP sublinha que o revisor atuou de forma "correta".

Salomé Filipe | Jornal de Notícias | 23-02-2013

Comentários (38)


Exibir/Esconder comentários
...
Coitadinhos dos dois jovens m-----s... e do seu cãozinho. Este povo de m.... está sempre contra a autoridade, o direito e as normas... e do lado dos grunhos. Um povo de grunhos e desqualificados defende o que é seu.
Anti-grunhos , 24 Fevereiro 2013
...
MAs as coisas necessitam de bilhetes?!?!?!!
In Horror , 25 Fevereiro 2013
...
" O caso baixou a inquérito". Que dizer de uma justoça que não consegue resolver um caso destes em sumário?
Valmoster , 25 Fevereiro 2013
...
Ridicula, desproporcionada, exagerada, salazarenta. etc.
Onde é que a polícia num país civilizado se dava ao trabalho de perder mais do que 5 minutos com esta situação?
O vídeo que circula na internet é bastante claro em relação à actuação dos GNRs.
Em nenhuma altura se observa qualquer acto ou palavra injuriosa por parte dos jovens. No entanto observam-se várias agressões por parte dos GNRs mesmo com os jovens já deitados no chão fora do comboio.
cgf , 25 Fevereiro 2013
O cão é mais racional que o dono.
Os preconceitos contra as fardas (neste caso da GNR) são notórios nas redes sociais. Infelizmente até em cidadãos que frequentam este site isso se verifica.
Porque dar mais crédito a quem escreve nessas redes sem ter presenciado e apenas motivado pelas suas emoções e preconceitos e não se dá crédito a quem (agente de autoridade) é chamado para resolver uma situação que exige que os prevaricadores (donos do cão; não o cão porque este parece mais racional do que muitos que comentam a situação) saiam do comboio e se recusam, tendo de ser forçados a fazê-lo? A solução, segundo estes comentadores, seria os GNR irem embora deixando a questão por resolver, isto é, demitir-se da sua função?
Não vejo qualquer agressão contra os jovens e apenas o uso da força para os forçar a sair.
Por isto é que há uma frase antiga e muito usada entre as forças de segurança que é a de que "o melhor serviço é aquele que fica por fazer".
Pois, com tantos sempre dispostos a condená-los por ter cão ou por o não ter…
Alguém acredita que nestes tempos algum GNR ou PSP naquelas circunstâncias arrisca a exagerar a força necessária, na presença de tanta gente, sabendo que há sempre telemóveis para recolher as imagens e que há redes sociais onde estas são colocadas?
Eu no lugar deles rezaria para que me deixassem "cumprir" o meu horário sem ser chamado, ou a sê-lo, que a viatura empanace pelo caminho. Dar cabo do futuro por gente ingrata? Não, obrigado!
Felizmente não sou polícia ou gnr.
Luis , 25 Fevereiro 2013 | url
...
E quando 20 indivíduos em toda a gritaria das 22 às 24 horas não me deixam dormir, nem aos vizinhos, a PSP não aparece porque diz que tem medo dos marginais. Tenho prova documental disso, dum chefe da esquadra.
Silva , 25 Fevereiro 2013
Grunhos só? e o resto da sigla?
O único grunho que por aqui se ouviu, vem de quem se assina "Anti-grunhos"!
Aliás a não ser que toda a carruagem fosse um carregamento de grunhos, os comentários gerais são unânimes!
Por outro lado NUNCA deveremos esquecer a salazarenta tradição de recrutar GRUNHOS por essas aldeias fora e atribuir-lhes fardas !
Alguém precisará de exemplos históricos?
Ora afigura-se-me que com este governo, certos grunhos fardados se sentem numa histórica "área de conforto"....
Kill Bill , 25 Fevereiro 2013
A "Luís"
Caro comentador:
Interessa-me pouco se foi agressão ou uso da força!
O que é simplesmente inqualificavel, surrealista, inacreditável, em suma inadjectivavel, é o facto ocorrido apreciado na generalidade!
Já vivi situações em vários comboios por essa Europa de individuos sem bilhete que simplesmente são identificados e a quem é passada uma guia que estabelece o preço acrescido de coima e do prazo de pagamento. Se porventura houver recusa de identificação , o "revisor" chama discretamente um agente da autoridade que entrará na estação seguinte e também discretamente identificará o individuo, sem alaridos. Tudo de forma CIVILIZADA!
Por aqui, pelos vistos o reino dos porcos,feios e maus, reina o exibir da farda, a lei do cacete, o sacar do colt, e a provocação do crime a fim de combater a simples má educação!
Se for porventura necessário recorrer á força para forçar alguém deve o agente policial ter o treino necessário de técnicas de imobilização "discretas" onde não é visivel qualquer tipo de "violência".
Já assisti a Treinos desses, mas pelos visto o senhor ex-estado português prefere treinar os seu agentes a coçar as calças das fardas em jipes a cair de podre, e a gastar as chuteiras, com um livrito de apontamentos nas mãos por vilórias desertas onde eventualmente um qualquer pato estacione junto ao único sinal de estacionamento proibido existente milhas em redor!
Hubert Von trak , 25 Fevereiro 2013
...
Ó Luís, não és polícia nem gnr, mas pareces. smilies/smiley.gif

Depois desta actuação heróica dos «geneerres», onde o risco de vida destes destemidos «geneerres» esteve sempre presente, não só pela resistência dos seis ou sete perigosos assassinos com que lidaram, armados até aos dentes, mas também pela corpulento cão que traziam, proponho uma condecoração por bravura.
Zé da Laurinda , 25 Fevereiro 2013
...
Anda aí muito cão a comer no Governo à nossa custa e não vejo lá nem GNR, nem PSP, nem MP... só uns quantos desgraçados a tirar a palavra - com a grândola - a quem lhes tirou a voz!!!
Cautela , 25 Fevereiro 2013
...
O vídeo começa, cirurgicamente, a meio da refrega.
Não se sabe quantas vezes os GNR pediram ao inocente cavalheiro para se retirar, por não ter bilhete para a bagagem (canídeo). Não são os GNR que fazem as regras, mas se são estas, têm de as fazer cumprir.
Do que o meu povo gosta é de ver os GNR a baixarem a bola, perante a recusa do cidadão de abandonar o comboio.
Seja , 25 Fevereiro 2013
A "Seja"
Caro comentador:
Perdoe-me mas parece-me um tanto duro de "ouvido"!
Questões:
1º - O canideo estava acompanhado dos seus documentos? (licença da Junta e boletim de vacinação?)
2º - O canideo estava açaimado conforme a lei?
3º - O canideo estava a ser transportado destro da "gaiola" apropriada?
Ora afigura-se-me que haveria razões de sobra para os agentes da autoridade procederem á detenção/apreensão do canideo, identificarem o proprietário e É TUDO!
Posteriormente procederiam EM CONFORMIDADE, alojando-o no canil municipal e desenvolvendo o processo adequado
Ora como afinal os rapazolas tinham bilhete seguiriam viagem normalmente ou acompanhariam voluntáriamente a BÓBI!
No fim de contas, só a BÓBI estava em infracção!
Mas não! A cóboiada á xerife e seus ajudantes parece que dá mais pica a certas fardas...
Por isso caro "Seja":
A GNR não deve NUNCA ter que baixar a "bola"!
DEVE É SABER USÁ-LA!
Baron Hubert Von Trak , 25 Fevereiro 2013
...
Depois admiram-se quando descobrem que o Hitler chegou ao poder através de eleições...
A questão aqui é somente esta: por causa de uma simples contraordenação (porque um canídeo sem bilhete não me parece que seja crime), dois GNRs resolveram aplicar a força.
Ou seja, um aviso aos "defensores destes GNRs, se um dia destes atravessarem fora da passadeira, não se admirem se um destes guardas chegar à vossa beira e vos pegue por uma orelha, como se fossem meninos mal comportados, para vos ensinar o código da estrada.
Para vestir uma farda é preciso antes de mais ter bom senso, que não existiu aqui.
cgf , 26 Fevereiro 2013
...
A GNR não devia ter feito nada. Deixava os rapazinhos e o cão seguir viagem. Depois, o cão mordia alguém, por exemplo, uma criança.
Ah, malandros dos GNR que deixaram o cão seguir, assim, na carruagem!
mordido , 26 Fevereiro 2013
...
Se um dia cometer uma contraordenação e, em cumprimento da lei, o órgão de polícia criminal ordenar que cesse o meu ilícito, incumprido eu a ordem legítima da autoridade, tem esta o dever de usar dos meios de coacção previstos na lei.

Já agora, eu não consigo ver nada com clareza neste vídeo (do que se passa fora da carruagem).
Se com os restantes comentadores sucede o mesmo, é interessante como os óculos de cada um levam a presumir cenários de facto opostos.
digo , 26 Fevereiro 2013
Baron Hubert Von Trak
E o cão tinha pulgas? E o BI do dono tinha expirado? E a mãe do dono tinha as vacinas em dia?
Tudo o que alega é inconsequente. O ilícito contraordenacional constatado pela autoridade é o do transporte sem bilhete.
Tudo o que alega vem A MAIS do ilícito constatado; não existe em sua alternativa.

Mas tudo o que faz é conjecturar. Não sabe, não sabe (!), tudo o que foi tentado pelos GNR para que o cidadão cumprisse a lei,

E quanto às coimas, servem elas para reparar ilícitos pretéritos.
Se o ilícito é actual e futuro, não pode a autoridade limitar-se a dizer: "isto resolve-se com a coima".
Não. A autoridade tem a obrigação de impedir a continuação do ilícito.

Mas o mais extraordinário nisto é que os acusadores da autoridade policial NÃO TÊM UMA PALAVRA de FORTE CENSURA para o cidadãozinho que viajava sem o bilhete para o animal e que (presumivelmente) não cumpriu a ORDEM para abandonar a carruagem.

Até porque viajar de borla é irrelevante (vejam-se os números no metro do Porto, por exemplo, e os efeitos que este comportamento tem no passivo endémico desta entidade, que todos pagamos).
digo , 26 Fevereiro 2013
...
Conversa entre o generrê e o mui ilustre cidadão:

-Sr. Cidadão, por favor saia do comboio.
-Não.
-Vá lá… o comboio não parte enquanto não sair…
-Não.
-Por favor?
-Não.
-Faça o jeitinho…
-Não.
-Dou-lhe 5 euros.
-Não.
-Bom Senhor Revisor, tentámos mas como vê não foi possível… O melhor é seguir viagem.

The end
Barto , 26 Fevereiro 2013
BART ....
O carissimo nunca viajou por qualquer país civilizado pois não?
É que de facto É QUASE assim ... como refere no seu pseudo-irónico comentário!
Seria IMPENSÁVEL parar qualquer combóio por tal mixuruquice!
Qualquer acção seria tomada no fim do trajecto, ou na estação de saída dos infractores.

Mas pelos vistos neste contentor de lixo tóxico não reciclável á beira-mar plantado, os NACIONAL- CACETEIROS continuam a achar que a gravilha lubrifica melhor que o óleo!
Sem dúvida que só quem se acomoda a viver aprisionado no esfincter da Europa pode assim pensar.
Por mim resolvia o problema nacional com um brachio procticus seguido de um enema purgativo!
Kill Bill , 26 Fevereiro 2013
... Parte II
O Sr. Cidadão aguardou pacientemente que o comboio chegasse ao terminal, não tendo saído em nenhuma das estações anteriores.

Aparece a móina:
-Sr. Cidadão por favor acompanhe-me.
-Não.
-Há possibilidade de mudar de ideias?
-Não.
-Então tenha um bom dia.

The end
Barto , 26 Fevereiro 2013
Mordidelas e açaimos...
Caro comentador "Mordido":
Deverá ter-se dado conta que a avaliar pelos comentários dos defensores do procedimento policial, a GNR de estava "a borrifar" para que o dito perro ou perra ferrasse os caninos em qualquer passageiro!
Sendo os passageiros uma cambada de "grunhos" até lhes faria bem provávelmente!
O grande problema canino é substancialmente financeiro! Falta de bilhete!
Quer lá agora a PSP ou a GNR saber de mordidas e dentadas!
Quantas vezes o caro "Mordido" passa por esses simpáticos canideos á trela dos donos , desde pit bulls passando pelo inspectores Max até simples chiuáahahas sem o açaimo que manda a lei ou sem a respectiva trela correndo por esses parques e praias? E que faz a autoridade?
ASSOBIA OLHANDO PARA O LADO!

Pois é "Mordido" ! Não se pode é comer uma salsicha á CP ou á REFER!
Baron Hubert Von Trak , 26 Fevereiro 2013
...
Sobre o conhecimento próprio sobre os países civilizados, poupe-nos o pedantismo.

Na última ocasião que recordo de ter ouvido falar de a polícia de um país civilizado ter abordado um cidadão, por trazer uma coisa num transporte público, o cidadão em causa, um brasileiro, acabou morto (e a coisa era uma mochila),
Se nos Estados Unidos um indivíduo recusasse uma ordem da polícia, era-lhe apontada uma arma e era imobilizado, algemado e conduzido para a esquadra.
É claros que os países da Magna Carta ou da Declaração de Independência não têm democracias ou estas não são civilizadas.

Os procedimentos policiais, bons ou maus, nos países civilizados também contemplam a acção directa para eliminar o ilícito em curso.

No true Scotsman , 27 Fevereiro 2013
...
Afinal não aprendi nada com estes comentários. Assim, continuo a compartilhar com os animais irracionais na linha de Sintra.

O animal tem que tirar bilhete?
E o dono salta as cancelas?

E a posição da autoridade, e revisores, fixa-se na inobservância das regras?

Continuamos fazendo de palhhhhhaços tudo e todos, nem o cão morde nem a GNR atua.
O sistema , 27 Fevereiro 2013
Respeitar a lei e regras:
Basta aceder ao site da CP

Transporte de Animais
O seu animal de companhia pode viajar consigo, desde que não ofereça perigosidade nos termos previstos no Decreto-Lei n.º 312/2003, de 17 de dezembro, na redacção que lhe foi dada pela Lei n.º 49/2007, de 31 de agosto* e que também estejam asseguradas as condições higieno-sanitárias.
O transporte do animal é gratuito, desde que este esteja devidamente acondicionado em recipiente apropriado que possa ser carregado como volume de mão. O transporte de cão não acondicionado é permitido mediante a aquisição de título de transporte próprio correspondente ao comboio que utilizar. Nestas condições, o animal terá de ir devidamente açaimado, com trela, acompanhado do respectivo boletim de vacinas atualizado e da competente licença. Para garantir o bem-estar e comodidade de todos os Clientes, o animal não pode ocupar lugar no banco.

O cão de assistência acompanhante de pessoa com deficiência é transportado gratuitamente

Cada passageiro poderá transportar apenas um animal de companhia.
... , 27 Fevereiro 2013
a 27 de Fevereiro
Obrigado pelo esclarecimento!
Eu havia já referido parte dessas obrigatoriedades em anterior comentário.
Mas como pode apreciar a partir de comentários como os de "Digo " e companhia, parece aparecerem por aqui uns tantos alveitares, psicanalistas de provincia (ou então talvez seja brucelose!)smilies/cheesy.gifsmilies/cheesy.gifsmilies/cheesy.gifsmilies/cheesy.gifsmilies/cheesy.gif
http://www.youtube.com/watch?v=6Gr3N-lc0jk
Baron Hubert Von Trak , 27 Fevereiro 2013
Baron Hubert Von Trak
Ainda não apanhou a lógica (do A MAIS). Mas lá chegará... talvez.
Ou melhor, continue assim: é patente que é feliz .
Disse , 27 Fevereiro 2013
Caro Disse
Apanhei a lógica sim!
Mas recorde: O Al Capone foi para a prisão por razões (A MAIS) (fiscais). Não pelos assassinatos.
É que há maneiras e maneiras....
Quem é inteligente leva a água ao seu moinho sem grandes tumultos...
Baron Hubert Von Trak , 27 Fevereiro 2013
...
Um agradecimento a todos os Polícias e Gentes ligadas à Justiça que diariamente têm de lidar com pessoas da pior espécie, em situações que nenhum dinheiro pagaria.

Quanto ao caso ao apreço: parece-me desajustado o aparato que podia ter tido consequências muito graves - queda na linha e morte.

1. Tudo indica que tanto o dono como alguns passageiros se disponibilizaram para pagar o bilhete da cadela.
2. O rapaz dirigia-se para a saída e isso apenas não aconteceu porque parou para responder a outros passageiros e foi agarrado por trás por um agente.
3. A forma como foi agarrado leva a que instintivamente se estrebuche o que, naquele local tão próximo da porta, podia ter provocado a queda na linha.
4. No exterior o infractor já não pensava pela sua cabeça, e a indignação de alguns passageiros parece demonstrar grave discordância com os meios utilizados para o acalmarem.
5. Quando mal tratada, qualquer situação banal pode resultar em tragédia. E da polícia espera-se que ajude a resolver as situações e não a complicá-las.
Cumprimentos.
Franclim Sénior , 28 Fevereiro 2013
...
É impressão minha, ou a gravação começa quando o jogo já vai em "cinco a zero"? O que aconteceu desde o "zero a zero inicial"?

Assim, é muito fácil criticar a polícia (por aquilo que se vê, é claro abuso de autoridade...mas o que é que se passou antes???).

Só me espanta é como tanta gente aqui critica a polícia sem se aperceber (ou querer aperceber) de que o vídeo começa manifestamente numa fase já bastante avançada da "peça". Será anti-policite aguda, pró-criminalite aguda ou poderes extrassensoriais (que levam a "captar" perfeitamente aquilo que não está no vídeo, maxime o que se passou até ao início do vídeo, e que os vulgares cidadãos como eu não conseguem ver nem imaginar)?
Zeka Bumba , 04 Março 2013
...
Ó Bumba,

Antes foram agredidos seis passageiros, o revisor, o maquinista, a «fera» mordeu em três passageiros, roeu quatro bancos, o combóio ia descarrilando, faltou a luz no interior do comboio, foi o pânico total.

Se não fossem os «geneerres» com a sua calma e excelente preparação para estes casos, estaríamos agora a lamentar uma tragédia.

Há cada bumba neste mundo!
Zé da Laurinda , 04 Março 2013
O que se passou antes?
Com essa do "que se passou antes" o caro Zeca faz-me sempre lembrar a velha história do lobo e do cordeiro!
Virá a propósito relembrar que também agora e a propósito do taxista Moçambicano bárbaramente assassinado pela policia Sul- Africana após ser arrastado por uma viatura apareceram uns tantos responsáveis com o mesmo argumento "do que se passou antes" !!!!!!!!!!!!!!
Só dá pra comentar:
APRE!
Será que esta gente não aprende que independentemente do que se "passou antes" a autoridade ou os seus agentes NÃO PODEM comportar-se como simples animais raivosos ou bestas sedentas de vingança?
Não compete ás policias "fazer justiça!"
ESSA COMPETÊNCIA É DOS TRIBUNAIS!
Pedro Só , 04 Março 2013
...
Sim, Pedro Só, já todos percebemos a sua malapata com as autoridades. De todo o modo, no caso vertente, ao contrário de alguns "iluminados" que aqui postam, NÃO SEI O QUE ACONTECEU ANTES E DEPOIS DO QUE O VÍDEO RETRATA, uma coisa é repor a ordem pública e outra é fazer justiça pelas próprias mãos (dos polícias). COMO NÃO SEI O QUE SE PASSOU, NÃO POSSO OPINAR SE FOI UMA COISA OU OUTRA (daí apenas ter chamado a atenção para alguns pormenores que possam ter escapados a dedos mais "nervosos"). Haben Sie verstanden?

Quanto ao Zé da Laurinda,

Pois é ó Zé, você tem definitivamente uma relação difícil, muito difícil com o cumprimento de leis, atuação das AUTORIDADES, etc (ALIÁS, A SUA MALAPATA AINDA É MAIOR DO QUE A DO PEDRO SÓ). É só ver como se escamou todo com o meu post (EM QUE PELAS RAZÕES SOBREDITAS NÃO TOMEI POSIÇÃO SOBRE O QUE POSSA TER SUCEDIDO).

cLARO que para os Zés isto devia ser tudo um estado natureza em que toda a gente podia fazer o que lhe apetecesse e ninguém tivesse autoridade para coisa nenhuma. uma "berdadeira" REBALDARIA em que os criminosos, caloteiros e arruaceiros não fossem nunca incomodados pela polícia e quiçá pelo MP e Tribunais.

Mas temos pena, muita pena que os Zés não se sintam bem num local onde HAJA LEI.

Coitados...

Zeka Bumba , 04 Março 2013
...
Mui Prezado Sr. Dr. Zeka Bumba,
1. Ainda que não me tenha sido dada procuração, parece-me que ninguém critica a polícia em geral; insurgem-se sim contra os pelo menos 4 polícias que intervieram no caso em apreço.

2. Os gestos de discordância e gritos de desespero dos restantes passageiros são suficientes para perceber o "trato" dado ao jovem no exterior. E isso vê-se no vídeo publicado na Inverbis. Repare que até se ouvem Pessoas a chamarem cobardes aos polícias. Que mais é preciso?

3. Em todo o caso, aqui pode vêr mais uns segundos - em que se vê o jovem a dirigir-se à porta sem que tenha feito nada de censurável, havido advertência ou tentativa de o algemar: http://www.youtube.com/watch?v=lpcRVu4SJOc

Cumprimentos
Franclim Sénior , 05 Março 2013
...
Caro Franclim, Sénior,

É certo que se ouvem os tais gritos e os "elogios". Mas quem será que os diz? Gente decente, cumpridora e respeitadora indignada com uma atuação policial grotesca? Ou chungaria sempre pronta a aplaudir os que, como eles transgridem as leis e desrespeitam as autoridades (não sei se foi, pois como disse, o vídeo começa quando visivelmente a procissão já abandonou o adro há muito) e a achincalhar as autoridades?

Eu não sei. E o meu caro?

Cumprimentos.
Zeka Bumba , 06 Março 2013
...
Caro Franclim,

Vi o vídeo que me recomendou (e vê-se mais do que no que aqui foi colocado). Porém, a notícia fala de 2 jovens colocados fora do comboio, mas, ou é da minha vista, ou apenas vejo um a ser tirado à força (embora, pelo que vejo, não o veja fazer nada nem o ouço dizer nada) e nada em relação ao outro. Terá sido puro arbítrio ou - sendo que não me apercebo de nada - existem razões objetivas que justifiquem esta diferença de tratamento e, quiçá aquela atuação que, a não ter acontecido nada que o justifique, é evidentemente grotesca.

De todo o modo, foi o que disse acima e...ui...que lá vieram alguns dos cromos do costume...
Zeka Bumba , 06 Março 2013
Vestes...
Não se incomode carissimo Franclim Sénior.
penso que já todos percebemos que o dr. Zeca é daqueles que acham qque "o hábito faz o monge"!
ou seja ; a farda investe o seu utilizador com o sacrossanto mandamento da autoridade!
Esquece apenas que só este ano foram erradicados do seu fardamento cerca de SESSENTA "monges"!
Evidentemente que isso só nos pode deixar descansados e significa que há quem "guarde o guarda"!
Mas repare que poucas outras profissões haverá onde tanta maçã apodrece!
Porque será?
Baron Hubert Von Trak , 06 Março 2013
...
Mui Prezado Sr. Dr. Zeka Bumba, obrigado pelos seus post's. Face ao que escreve, não há possibilidade de entendimento neste assunto. Em todo o caso, penso que escreveu para provocar e não tanto por acreditar no que diz. Não será assim? smilies/wink.gif

Mui Prezado Sr. Dr. Baron Hubert Von Trak, obrigado pelo seu post e excelentes informações. Viva, viva! Fora com aqueles que desonram a polícia. smilies/wink.gif

Cordiais saudações.


Nota: li os post's na manhã do dia 6; desculpem só agora responder.
Franclim Sénior , 06 Março 2013
...
De facto, para desgraça de uns quantos, "o hábito faz mesmo o monge" ou seja, a farda investe mesmo o seu utilizador com o sacrossanto mandamento da autoridade.

É que quem veste a farda tem poderes de autoridade, ainda que sujeitando-se a ser punido no caso de abusar dos ditos (os poderes de autoridade). E não é por causa de numa ocasião ter abusado dos poderes que toda a minha gente passa a estar legitimada a desobedecer-lhes.

Ah, e já agora, vendo bem o vídeo, a porta do comboio ficava nas costas do dito cujo (a quem, presumo, já teriam dito que tinha de sair do comboio). Daí que pergunto: porque é que ele se afastou da porta (que ficava nas suas costas) e andou para a frente (e é aí que lhe fazem a "pega" para o tirarem do comboio)???
Zeka Bumba , 07 Março 2013
Abuso de Poder para com o meu filho
Boa noite.
Em conversa com o meu filho acabei de se ocorrente de uma situação que aconteceu na sexta-feira dia 6 de Setembro de 2014 pelas 10:15 na estação de Alverca.
Acontece que o meu filho com 14 anos de idade á pressa pois o comboio ia a chegar a qualquer momento comprou o bilhete e desceu as escadas mas não conseguiu apanhar o comboio e lembrou-se que não validou o bilhete, e quando ia voltar para cima para p fazer acontece por destino que estavam nessa mesma estação cerca de 5 revisores. Ora ele nem sequer apanhou o comboio. E não o deixaram vir validar o bilhete porque lhe apreenderam o bilhete que havia custado 0,50€ (Que ele guarda sempre na carteira para não ter que andar a tirar outros), que estava carregado com o valor de 3 zonas ou seja 1,85 €.
Ora ele insistiu que sim que ia validar o bilhete e que se havia esquecido com a pressa de apanhar o comboio, no entanto o revisor disse literalmente que " isso não me interessa" e como disse apreendeu-lhe o bilhete no valor total de 2,35€.
O miúdo ameaçado com a polícia e não querendo me prejudicar (a mim pai ), ficou sem o bilhete e foi-lhe passado um recibo de 1,25€ ( ele ia para Sacavem) que lhe foi dito que tinha 15 dias para pagar. Ora como o meu filho acabou por perder o outro comboio seguinte pelo tempo que demoram a passar um recibo ( este sem nexo e injusto), foi pagar esse valor.
Bom eu só soube disto hoje 3ª feira dia 9 e ele infelizmente não guardou o recibo.
Isto não se faz.
Para além de ele ter gasto o total de 2,35 €+ 1,20€ ele não entrou em nenhum comboio até ao sucedido. E foi pura Maldade dos revisores foi abuso de poder e para mostrar mau trabalho.
Quando nos comboios andam centenas de pessoas sem pagar bilhete...
O que o revisor devia ter feito era confirmar se ele tinha ou não acabado de comprar o bilhete como estava no recibo e no próprio bilhete e avisava-o que ANTES DE ENTRAR NO COMBOIO tem que o validar...sim porque o miúdo podia ter ido apenas buscar a amiga á estação ... Não há nada escrito VISÍVEL que indique que a partir de determinado ponto só entra com bilhete validado...PURA MALDADE E ABUSO DE PODER ( repito)
Miguel Monteiro , 09 Setembro 2014

Escreva o seu comentário

reduzir | aumentar

busy

Últimos conteúdos

A crise trouxe dúvidas novas sobre a situação do país e a actuação dos políticos. As televisões portuguesas responderam ...

Com o termo do ano de 2013, cessaram as publicações de conteúdos nesta Revista Digital de 2013.Para aceder aos conteúdos...


Isabel Moreira - Ouvindo e lendo as epifanias sobre o Tribunal Constitucional (TC) que descobriram ali um órgão de sober...

Últimos comentários

Tradução automática

Atualidade Direito e Sociedade Revisor pára comboio para cobrar bilhete a cão

© InVerbis | 2013 | ISSN 2182-3138.

Arquivos

Sítios do Portal Verbo Jurídico