In Verbis


icon-doc
REVISTA DE 2013

O valor da Justiça e o valor do Ser Humano

  • PDF

Pedro Santana Lopes - Quando, num Estado de Direito, pensamos que é melhor não falar sobre um tema que diz respeito aos Direitos Fundamentais da pessoa humana, é porque algo está errado.

Tenho por orientação não falar de temas da Justiça. É uma questão de princípio e de respeito, fui formado e formei em mim próprio esta ideia de que um Estado Democrático de Direito é mesmo a sério. Convenci-me mesmo de que a separação de poderes é um princípio estruturante da Democracia. Sou daqueles que acredita que os magistrados julgam sem preconceitos políticos ou inclinações partidárias. Penso mesmo assim.

Por exemplo, posso não concordar - passo a comparação comalgumas posições da Igreja Católica, mas não manifesto em público essas diferenças, porque entendo que é devido respeito público a todas as igrejas mas, em especial, à igreja da nossa Fé.

Pode ser que a Igreja mude nesses aspetos, e posso tentar contribuir para isso noutro modo, mas não a divergência pública. No plano da organização do Estado também não gosto de fazer nada que contribua para pôr em causa a essência das coisas. E a Justiça, se a pomos em causa, quem nos defende? É que a Justiça foi concebida, tal como, noutro plano, as Forças de Segurança, para defender as pessoas. A Justiça foi concebida para ser, acima de tudo, a guardiã dos direitos, liberdades e garantias, e no respeito pela Lei.

Quando ofende alguns desses direitos, nem que seja por deixar passar o tempo, está a negar a sua missão. A Justiça tem de proteger direitos e não deixar que eles sejam postos em causa.

Quando as decisões tardam, quando as sentenças são injustas, o que podem fazer os Seres Humanos que estão postos em causa perante a Justiça ?

Neste domínio, o grande segredo da civilização é pensarmos no que sentiríamos se estivéssemos no lugar do outro. Ao fim e ao cabo, como alguém ensinou há mais de 2000 anos, sabermos pôr-nos no lugar do próximo. Se fosse assim, há muito tempo que o legislador tinha atuado de modo diferente. Porque a maior parte da culpa não é dos tribunais, é de quem legisla.

A Justiça foi concebida para ser a guardiã dos direitos, liberdades e garantias, e no respeito pela Lei.

Pedro Santana Lopes | Correio da Manhã | 01-11-2013

Correcção (06-11-2013): Inicialmente indicado como Autor do artigo «Pedro Almeida Vieira», cujo lapso se solicita seja relevado.

Comentários (1)


Exibir/Esconder comentários
Engano
Pedro Almeida Vieira? Ele diz que não...
Publicação de Pedro Almeida Vieira.
A.M. , 06 Novembro 2013

Escreva o seu comentário

reduzir | aumentar

busy

Últimos conteúdos

A crise trouxe dúvidas novas sobre a situação do país e a actuação dos políticos. As televisões portuguesas responderam ...

Com o termo do ano de 2013, cessaram as publicações de conteúdos nesta Revista Digital de 2013.Para aceder aos conteúdos...


Isabel Moreira - Ouvindo e lendo as epifanias sobre o Tribunal Constitucional (TC) que descobriram ali um órgão de sober...

Últimos comentários

Tradução automática

Opinião Artigos de Opinião O valor da Justiça e o valor do Ser Humano

© InVerbis | 2013 | ISSN 2182-3138.

Arquivos

Sítios do Portal Verbo Jurídico