In Verbis


icon-doc
REVISTA DE 2013

A diabolização dos serviços públicos

  • PDF

João Pedro Martins: Está na moda o bullying aos serviços públicos. Para este governo, a solução para a diabolização dos serviços públicos passa pelo exorcismo ao Tribunal Constitucional, a alteração da própria Constituição e o extermínio dos funcionários públicos.

Criaram o mito que os serviços públicos são o Drácula das contas do país. Excesso de burocracia, estruturas obsoletas, tráfico de influencias e corrupção, uma infinidade de pessoas que recebem muito e fazem pouco, entre outros vícios que colocam os serviços públicos debaixo de fogo.

Para este governo, a solução para a diabolização dos serviços públicos passa pelo exorcismo ao Tribunal Constitucional, a alteração da própria Constituição e o extermínio dos funcionários públicos.

O plano está traçado e começou uma campanha que trata cada funcionário público como se fosse um judeu condenado num campo de concentração nazi. Os cortes salariais são iguais para todos, como eram os trabalhos forçados, as câmaras de gás, os fornos de inceneração e as valas comuns de Auschwitz.

É verdade que existe tráfico de influências e que em muitos serviços públicos, desde a administração central às autarquias locais, multiplicam-se os casos em que os organismos públicos deixaram de servir o público e passaram a alimentar lóbis que levitam à volta da luz do poder, transformando-se em verdadeiros ninhos de corrupção e viveiros do crime organizado, onde gente sem rosto e sem escrúpulos ganha milhões à conta do dinheiro dos impostos dos contribuintes. Cortar 12% no salário de um funcionário público corrupto é pouco. Cortar a todos, onde se incluem os honestos e competentes, c um ato de gestão danosa. Este governo não sabe distinguir entre o prioritário e o acessório, o que funciona e se deve melhorar e o que está a mais ou cm duplicado e é preciso eliminar.

Acabar com centros de saúde, maternidades, estações de comboio e serviços de correios de proximidade é acentuar ainda mais as assimetrias regionais. Significa criar novos guetos geográficos que impendem o desenvolvimento das regiões e das pessoas e abandonar a maioria dos contribuintes em função do lucro que se pode oferecer para privatizar.

Em tempos de austeridade, poderiam ser implementadas algumas medidas simples que garantissem a equidade e a justa distribuição dos dinheiros públicos. A lei deveria limitar o exercício de funções dos dirigentes públicos a dois mandatos, permitindo uma maior rotatividade, evitando a sustentabílidade de interesses instalados. As assessorias técnicas e os contratos com escritórios de advogados e empresas de consultoria deveriam estar limitados em função do valor dos contratos e em regime de exclusividade com a entidade pública adjudicante.

Em épocas de crise económica e social não é admissível que um consultor externo ou um escritório de advogados tenha vários contratos em vigor com diferentes organismos públicos. Quando o desemprego atinge percentagens alarmantes, é imoral que funcionários públicos acumulem cargos remunerados em vários organismos da administração central, local e do sector privado, impossibilitando que a função social do Estado disponha de meios para socorrer aqueles que ficaram sem o posto de trabalho. Os governos podem ser demasiado maus de forma a justificarem o permanente recurso a manifestações na rua, mas enquanto tivermos eleitores que escolhem um porta-voz de um presidiário condenado, como o caso de Oeiras, o país não tem pernas para sair da crise.

João Pedro Martins | ionline | 08-11-2013

Comentários (3)


Exibir/Esconder comentários
...
O Autor diz coisas acertadas, mas mesmo na crítica diz coisas muito acertadas. Não concordo com o fecho de centros de saúde, nem com o corte de algo essencial. Mas Há que admitir que e cada x mais as Câmaras e Autarquias locais fomentam-se por uma corrupção pura, desonesta...
Guiados muitas vezes por sociedades de advogados que utilizam o dinheiro público para se alimentarem. Não concordo com a diabolização dos funcionários públicos mas acho que Câmaras, freguesias, sociedades de advogados e o ajuste directo é para terminar sob pena de não irmos para a frente dos bois...
Francisco , 08 Novembro 2013
...
Caro Francisco, tive esperança que esse tipo de situações a que se referere iria acabar com a entrada da Troika, que iria impôr medidas de austeridade a esse nível.
Que inocente que fui, depressa me apercebi que a Troika não quer saber disso para nada mas apenas cuida que os seus juros e capital sejam embolsados à custa do sangue, suor e lágrimas do Povo.
Portanto, a solução é: "esquerda ao poder".
Ai Ai , 09 Novembro 2013
Citando un Nobel da Literatura...
«Privatize-se tudo, privatize-se o mar e o céu, privatize-se a água e o ar, privatize-se a justiça e a lei, privatize-se a nuvem que passa, privatize-se o sonho, sobretudo se for diurno e de olhos abertos. E finalmente, para florão e remate de tanto privatizar, privatizem-se os Estados, entregue-se por uma vez a exploração deles a empresas privadas, mediante concurso internacional. Aí se encontra a salvação do mundo... e, já agora, privatize-se também a p**a que os p***u a todos.»

José Saramago - Cadernos de Lanzarote
Kill Bill , 09 Novembro 2013

Escreva o seu comentário

reduzir | aumentar

busy

Últimos conteúdos

A crise trouxe dúvidas novas sobre a situação do país e a actuação dos políticos. As televisões portuguesas responderam ...

Com o termo do ano de 2013, cessaram as publicações de conteúdos nesta Revista Digital de 2013.Para aceder aos conteúdos...


Isabel Moreira - Ouvindo e lendo as epifanias sobre o Tribunal Constitucional (TC) que descobriram ali um órgão de sober...

Últimos comentários

Tradução automática

Opinião Artigos de Opinião A diabolização dos serviços públicos

© InVerbis | 2013 | ISSN 2182-3138.

Arquivos

Sítios do Portal Verbo Jurídico