In Verbis


icon-doc
REVISTA DE 2013

A Europa já não mora aqui

  • PDF

A Europa deixou de ser um lugar seguro. Não se trata de guerras ou conflitos ou invasões ou vândalos e marginais a espalharem o pânico e o caos nas ruas. Trata-se, tão simplesmente, de um sentimento de intranquilidade, de uma crise de confiança, de um ambiente de final de festa onde, no final, só sobram os despojos e as contas por pagar.

Mas é nesta Europa que vivemos. É hoje difícil viver tranquilo numa Europa onde a política comunitária é decidida à porta fechada por tecnocratas que anunciam com desplante as suas decisões sem as explicar a quem sofre com elas. É aflitivo acordar todos os dias com medo que as poupanças de uma vida inteira de trabalho sejam rapinadas das contas bancárias, sem apelo nem dó, para pagar resgates de países.

É imperdoável que os líderes políticos a quem se confiam governos e o destino de nações, os abandonem anos depois empobrecidos e a contas com credores internacionais, sem que a sua responsabilidade seja apurada.

É ainda penoso descobrir que a Europa solidária que alguém sonhou um dia seja hoje um clube exclusivo de gente rica, onde a moeda única faz mais para expor as diferenças económicas dos países do que para as resolver.

E é absolutamente incompreensível que as rédeas da Europa estejam hoje nas mãos de líderes sem um plano ou uma ideia, de políticos sem uma centelha de bom senso e ainda menos de sensibilidade.

O ataque sem precedentes sobre Chipre e o seu sistema bancário não foi só um golpe baixo. Foi um golpe de morte na confiança europeia.. Tratar um parceiro como um campo de tiro, onde se ensaiam experiências, e deixar no ar a incerteza de que outros países como Portugal podem sofrer o mesmo tipo de investida, não é apenas incompreensível. É intolerável.

Neste processo onde sobram vítimas e agressores, faltam culpas e castigos. Mas talvez a maior punição seja o abandono a que os europeus começam a votar a Europa e os seus líderes. Só uma impensável teimosia (para quê?) e não um infinito esforço (por que se evita?), mantém unido o que resta destes despojos de confiança dos europeus.

A famosa piada do comediante Groucho Marx, quando disse que nunca aceitaria fazer parte de um clube que o admitisse como membro, é fácil de adaptar à Europa dos nossos dias. Mas muitos europeus prefeririam decerto ironizar, dizendo que não admitem fazer parte de uma Europa que não os merece como membros. E esta é a maior ameaça à segurança da Europa: o dia em que os europeus a deixem cair. De vez.

Helena Cristina - Subdirectora Diário Económico | 28-03-2013

Comentários (1)


Exibir/Esconder comentários
...
Nem mais, nem menos. Na mouche!

O Groucho Marx ainda tinha carradas de piada; os decisores (de facto) europeus provocam asco.
Pois, pois! , 29 Março 2013

Escreva o seu comentário

reduzir | aumentar

busy

Últimos conteúdos

A crise trouxe dúvidas novas sobre a situação do país e a actuação dos políticos. As televisões portuguesas responderam ...

Com o termo do ano de 2013, cessaram as publicações de conteúdos nesta Revista Digital de 2013.Para aceder aos conteúdos...


Isabel Moreira - Ouvindo e lendo as epifanias sobre o Tribunal Constitucional (TC) que descobriram ali um órgão de sober...

Últimos comentários

Tradução automática

Opinião Artigos de Opinião A Europa já não mora aqui

© InVerbis | 2013 | ISSN 2182-3138.

Arquivos

Sítios do Portal Verbo Jurídico