In Verbis


icon-doc
REVISTA DE 2012

Informática da justiça por um fio

  • PDF

Os servidores "estão por um fio e as comunicações também não ajudam". Apesar dos elevados investimentos a informática da Justiça "está por um fio", advertem funcionários, juizes e procuradores. A agravar a situação está a avaliação de desempenho dos funcionários que provocou uma informatização maciça dos processos das conservatórias. Sem largura de banda os processos emperram.

Na grande maioria dos tribunais de primeira instância "o programa Habilus, uma plataforma informática destinada às secretarias e que desmaterializa e faz a tramitação dos processos judiciais, chegamos a estar entre 15 a 30 minutos para que o mesmo programa fique disponível para consulta e prática de atos, de forma a podermos, por exemplo, saber se foi remetido ao processo algum requerimento", conta um funcionário do Tribunal de Almada.

Um outro oficial de justiça, de Aveiro, adianta que "há situações em que à hora das diligências desconhecemos se um determinado processo rececionou alguma peça processual". A esta "morosidade" juntam-se "problemas nas comunicações obrigatórias que têm que existir entre o programa de tramitação dos processos (Habilus) e o programa das custas processuais, onde, por exemplo, se efetuam os registos de tudo o que são pagamentos de taxas e encargos que as partes têm com os processos". Este funcionário garante que os atrasos "não põem em causa ordens de pagamento, mas existem falhas nas comunicações entre uma e outra plataforma. Há dias que é um circo porque o sistema e os servidores estão a berrar. Presos por um fio", adianta. Falhas do sistema informático criado para a contabilização das custas dos vários processos que correm nos tribunais do país e que está a deixar "milhares de processos que entretanto terminaram sem o apuramento das custas".

O maior bloqueio no Habilus "acontece diariamente no período entre as 9 e as 9h30 quando os computadores são ligados e o número de utilizadores é enorme". Para além do Habilus também o Citius, onde os magistrados registam o desenvolvimento dos processos, há problemas. O Citius permite a circulação eletrónica e desmaterializada de processos entre as secretarias judiciais e os magistrados e a utilização de assinaturas eletrónicas.

Um juiz, do Tribunal de Coimbra, conta que "a plataforma e servidores são comuns e ter 50 pessoas a trabalhar, ligadas numa rede onde o servidor principal se encontra em Lisboa, com pouca largura de banda é óbvio que tem problema". Problemas informáticos sempre houve mas nunca com esta gravidade", lamenta.

Acresce que "os tribunais de segunda e terceira instância, com maior autonomia financeira e equipas informáticas próprias, têm sistemas desenvolvidos à medida e que de facto funcionam mas não ligam com a primeira instância", adianta o juiz.

Assim um processo que chegue à segunda instancia, obriga a preencher toda a documentação e dados do processo porque o sistema informático não é compatível".

Nas conservatórias, também dependentes do Ministério da Justiça, o panorama não é melhor. "Durante toda semana o SIRIC (sistema informático do Registo Civil) tem estado com imensos problemas, chegando haver conservatórias sem o referido sistema durante várias horas". Problemas que "afetam sobretudo a consulta para pedidos de passaporte e migração de dados do SIRIC para o sistema PEP" (passaportes). Todos os atos de registo civil; como casamentos, averbamentos e nascimentos; sofrem atrasos incríveis". A agravar o problema está a avaliação dos funcionários. O Sistema Informático de Avaliação e Desempenho dos Funcionários (SIADAP) está em vigor desde o início do mês e há a exigência de "números mínimos de informatização de assentos de nascimento e casamentos. Cada ato gratuito tem pontos e toda gente está a informatizar massivamente, isto porque pela primeira vez foi fixado um objetivo de produtividade, por funcionário, anual". Com receio de perder classificação os funcionários "informatizam para obter resultado na produtividade".

Problemas que surgem depois de o Ministério da Justiça ter investido largos milhões de euros nos últimos anos em informática e na uniformização do equipamento. Em 2005, quando foram renovados 10% dos computadores, foram gastos 2 M de euros.

Em 2006 o investimento foi de cerca de 1,6 milhões de euros e em 2007 voltou a passar os dois milhões de euros. Em 2008 o MJ comprou 14984 computadores e 5050 impressoras, num processo orçado em mais 2 dois milhões de euros. Em 2011 melhorias introduzidas no Citius custaram mais 1,4 M de euros. E já este ano o Ministério de Paula Teixeira da cruz anunciou o desenvolvimento de nova plataforma informática para resolver os imbróglios deixados pelas outras aplicações que custaram milhões e não funcionam.

Mas nem só de computadores e servidores necessita a Justiça que se debate com "falta de material, principalmente toner para as impressoras e uma falta de manutenção de bradar aos céus", remata o juiz. 'O Crime' pediu, sem sucesso, esclarecimentos ao Ministério da Justiça.

Amadeu Araújo | O Crime | 31-05-2012

Comentários (7)


Exibir/Esconder comentários
O Crime
Grande jornal que é "O Crime"! Um dos mais credíveis do País e arredores.

A qualidade, fiabilidade, veracidade e clareza do artigo é directamente proporcional à credibilidade do jornal...
F13 , 31 Maio 2012
...
os tribunais de segunda e terceira instância, com maior autonomia financeira e equipas informáticas próprias, têm sistemas desenvolvidos à medida e que de facto funcionam...

Como é? Em que tribunais superiores é que as coisas são assim? Talvez noutro País, pois ~´a no burgo...
Jesse James , 31 Maio 2012
Quem avisou, quem foi?
Há anos que, nada dado a entusiasmos de novo rico saloio, como infelizmente o País no seu conjunto, adverti para o colapso da informatização tal como estava a ser feita em matéria de tribunais e não só.. Credo que heresia, Barracuda. Pois bem, aqui vai mais uma certeza: os danos causados pela estupidez de uns, a ignorância de outros, a maldade de alguns oportunistas que viram em tudo ganho de vida, terá consequências tais no domínio da justiça que é hoje difícil imaginar. E quem paga? Como poderemos fazer justiça a uns e outros sem uma revolução que nos liberte e faça pagar o mal a quem o fez, seja porque razão for. Se a não fizermos pacificamente algo de violento acabará por explodir. Verão.
Barracuda , 31 Maio 2012 | url
...
E o tribunal de Almada (e o de Coimbra) não têm um inspector que pergunte aos senhores funcionários o que é que são os números que estão nas pastas do canto superior esquerdo do programa informático e o que é que eles significam?
Observador , 01 Junho 2012
Lendas e narrativas
Este tipo de notícias aparecem periodicamente desde há pelo menos uns 7 anos, por razões que nem sempre se percebem à primeira vista uma vez que surgem sempre fora de qualquer contexto.
Não sei de que material é feito esse fio que tanto tempo resiste ao cataclismo anunciado pelos arautos de desgraça, mas deve ser forte.
A novidade agora é a previsão de violência associada à miséria e o aparecimento (ressurgimento) de um preciforme tenebroso que tudo vê e tudo conhece, do passado, do presente e... do futuro.
Mais um Leonardo do século XXI, que domina todas as artes e todas as ciências, um génio do novo renascimento. Infelizmente mais vocacionado para ser a Cassandra do nosso tempo, uma autêntica vox femina tragica, profetisa da desgraça amaldiçoada que todo o mal prevê e nada consegue mudar.
No entretanto, os cães ladram e a caravana passa, e algures sob a brisa do Mondego alguém murmura repetidamente: «a abóbada não caiu e a abóbada não cairá»
AlexandreHerculano , 01 Junho 2012
E tudo o ventro levou
Parece que é desta.
Parece que é agora que a Justiça terá um novo e renovado sistema informático.
Tal como disse AlexandreHerculano no seu comentário anterior, "a abóbada não caiu, a abóbada não cairá".
Os que estão à espera da "queda" talvez fosse melhor esperarem sentados. Houve em tempos outros que tentaram. E outros que tentaram a seguir. E depois ainda outros... mas na verdade, com mais de doze anos de existência, cá continua aquele que ainda é o sistema informático que vai permitindo aos tribunais que continuem a dar a resposta possivel dentro das condições degradadas dos últimos anos. Que funciona para desencanto de muitos.
Felizmente que trabalho num dos tais tribunais piloto. Não entendo como é que há colegas de outros tribunais, que por razões que a própria razão desconhece, não têm as mesmas funcionalidades disponiveis. Será politica? O que será então? Os arautos da desgraça que, tal como urubus, têm anunciado a morte desde há muito, estão de volta novamente, a travar o que ainda funciona...
Não sei, mas tenho esperança de um dia vir a saber.
Autor , 01 Junho 2012
...
TALVEZ seja agora que se TRABALHE como sempre se trabalhou: à mão. É ! A lei é que tem de mudar...se querem mais celeridade.
C2 , 02 Junho 2012

Escreva o seu comentário

reduzir | aumentar

busy

Últimos conteúdos

A estrutura da InVerbis está organizada por anos e classificada nos correspondentes directórios.Os conteúdos publicado...

O Estado assumiu, através da empresa pública Parvalorem, a dívida de quase 10 milhões de euros de duas empresas de Vítor...

Dos 118 homicídios cometidos em 2012, 63 tiveram familiares como protagonistas • Cinco pais e 18 padrastos detidos por a...

Pedro Lomba - Na primeira metade do ano o ajustamento negociado com a troika correu dentro do normal e expectável. Mas d...

Últimos comentários

Tradução automática

Atualidade Tribunais Informática da justiça por um fio

© InVerbis | 2012 | ISSN 2182-3138 

Sítios do Portal Verbo Jurídico