In Verbis


icon-doc
REVISTA DE 2012

OE2012 - Direcção do PS irritada com colagem ao BE

  • PDF

O pedido de fiscalização da constitucionalidade do Orçamento do Estado para 2012 vai ser entregue hoje, por deputados socialistas e pelo Bloco de Esquerda, no Tribunal Constitucional (TC). Ontem, a direcção parlamentar do PS não disfarçou o incómodo com a iniciativa levada a cabo por alguns deputados da bancada. Carlos Zorrinho foi claro: “O PS demarca-se totalmente desta iniciativa”.

A comunicação do líder parlamentar foi feita meia hora depois de o socialista Vitalino Canas anunciar que já tinha recolhido as 23 assinaturas necessárias para levar o Orçamento ao Tribunal Constitucional. Uma fonte do PS considerou lamentável, em declarações ao í, que “alguns deputados se associem ao Bloco de Esquerda, que foi um dos partidos que mais violentamente criticou o governo de José Sócrates”.

Mas nos últimos dias o grupo de deputados socialistas, liderado por Vitalino Canas, Alberto Costa e também Isabel Moreira, trocou mesmo impressões com o Bloco sobre os argumentos a utilizar perante o Tribunal Constitucional. Ou seja, o documento final (que tem oito páginas) conta com o contributo dos bloquistas. Questionado sobre se esta iniciativa pode criar divisões no PS, Vitalino Canas disse que “o importante é que a Constituição não abra nenhuma brecha”.

O ex-porta-voz do PS frisou que a elaboração do requerimento que hoje leva ao TC foi “um processo bastante participado”, mas rejeitou divulgar os nomes dos subscritores do documento. Pouco depois destas declarações, o líder da bancada do BE, Luís Fazenda, veio defender que os cortes nos subsídios de férias e de Natal violam “gravemente” a Constituição e anunciou a adesão dos deputados bloquistas à iniciativa que teve origem na bancada socialista. Já o PCP ainda não decidiu se vai assinar o requerimento, mas se o fizer terá apenas um significado simbólico, já que as assinaturas recolhidas são suficientes para que o Tribunal Constitucional possa avaliar o Orçamento do Estado para 2012 (eram necessários um décimo dos deputados).

No requerimento os deputados argumentam que os cortes dos subsídios de férias e de Natal violam “o princípio da igualdade”, no caso dos funcionários públicos, e o “princípio da confiança” em relação aos pensionistas. Uma das preocupações dos deputados que elaboraram ó documento – com o apoio de juristas e constitucionalistas – foi fazer uma distinção entre os cortes previstos no Orçamento para o próximo ano e os que fram feitos nos ordenados dos ofuncionários públicos, nos tempos de José Sócrates, e que o Tribunal entendeu não violarem a Constituição, depois do Bloco ter pedido a fiscalização sucessiva da constitucionalidade.

O texto recorda ainda as declarações de Passos Coelho, quando estava na oposição, a dizer que seria “um disparate” cortar o 13° mês aos portugueses, bem como a promessa de que qualquer ajustamento seria feito por via dos impostos e não através de “medidas que afectem as pensões ou as reformas”. Ontem, Vitalino Canas não quis avançar um prazo para o TC publicar uma decisão (não existe um prazo fixado na lei). “Apenas esperamos que o Tribunal Constitucional cumpra as suas competências, pronunciando-se sobre este requerimento. O prazo que demorará, o tipo de decisão, isso já compete ao Tribunal Constitucional decidir.”, disse o socialista, numa conferência de imprensa em que marcou presença a deputada independente Isabel Moreira.

O desfecho deste processo abre mais uma ferida na bancada do PS. Apesar da direcção do grupo parlamentar demonstrar a oposição a esta iniciativa, houve um grupo de deputados do PS que foi até ao fim.

Luís Claro | i-online | 19-01-2012

Comentários (4)


Exibir/Esconder comentários
...
É o que se chama o "descobrir da careca", da Direcção do PS!
Quid Juris? , 19 Janeiro 2012
José Pedro Faria (Jurista) - História de um mistério para levar para a tumba
Ao contrário do PSD, do CDS e do PCP, que têm, cada um à sua maneira, caminhos bem delineados, o PS não passa de uma amálgama de pessoas, umas que creem sinceramente no socialismo, outras com um pensamento mais ultra-liberal do que muitos militantes do PSD, e ainda outras (talvez a maior parte!...) que são coisa nenhuma, apenas se inscreveram no PS com o objetivo de alcançar estatuto social, bons cargos e dinheiro. Esta heterogeneidade absurda não significa "democracia"; antes representa uma aberração.

Desde as primeiras eleições, em 1975, que me interrogo sobre o que pode levar alguém a votar num partido como o PS. Compreendo (independentemente de concordar ou não com isso) que alguém ache que o liberalismo e a desregulação completa dos mercados é o caminho certo, e que vote no PSD ou no CDS; ou que alguém pense que tenhamos que enveredar pelo socialismo e vote no PCP. Mas, quando se vota no PS, vota-se no quê? Eu não sei, é um mistério que levarei para a tumba.

Embora em menor escala, problema semelhante se passa com o BE.
José Pedro Faria (Jurista) , 20 Janeiro 2012
...
O sentido da decisão do TC já se sabe qual é.
Mas vai ser "giro" ver o espetáculo de piruetas e cambalhotas oferecido pelos Srs. Conselheiros do TC.
Digo , 20 Janeiro 2012
...
Pois!
O PS é como os tais...........
Colaboram, mas não entram!
O partido mais nim que este país teve. O partido das canjas de galinha...
Excepto quando chega ao governo! Aí canta de galo.
Tá bom! O Zé Portuga não mertece melhor!
Pedro Só , 20 Janeiro 2012

Escreva o seu comentário

reduzir | aumentar

busy

Últimos conteúdos

A estrutura da InVerbis está organizada por anos e classificada nos correspondentes directórios.Os conteúdos publicado...

O Estado assumiu, através da empresa pública Parvalorem, a dívida de quase 10 milhões de euros de duas empresas de Vítor...

Dos 118 homicídios cometidos em 2012, 63 tiveram familiares como protagonistas • Cinco pais e 18 padrastos detidos por a...

Pedro Lomba - Na primeira metade do ano o ajustamento negociado com a troika correu dentro do normal e expectável. Mas d...

Últimos comentários

Tradução automática

Atualidade Sistema Político OE2012 - Direcção do PS irritada com colagem ao BE

© InVerbis | 2012 | ISSN 2182-3138 

Sítios do Portal Verbo Jurídico